Assinar


Caldas da Rainha

Teatro da Rainha fecha ano com peça encenada pelo dramaturgo francês Joseph Danan

A peça poderá ser vista de quarta a sábado, sempre às 21h30, de 3 a 26 de novembro.

No sábado, dia 24, decorreu a primeira leitura da peça Teatro da Rainha

“Police Machine”, de Joseph Danan, é a última produção do Teatro da Rainha a estrear-se este ano, com encenação do próprio autor, que até à estreia, a 3 de novembro, está nas Caldas da Rainha a dirigir os atores.

Professor e dramaturgo, Joseph Danan aceitou o desafio da companhia residente nas Caldas da Rainha para “encenar o seu próprio texto, num trabalho de cumplicidade, mais de comentário e menos diretivo”, disse à agência Lusa o encenador do Teatro da Rainha, Fernando Mora Ramos, que nesta peça assume a função de ator para desempenhar o papel de Deus.

Uma experiência que o dramaturgo francês já tinha feito há anos com uma companhia mexicana e que o Teatro da Rainha faz pela primeira vez na cidade onde a 3 de novembro estreará “Police Machine” e o público poderá ver o resultado “inesperado” desta parceria entre o autor e os atores da peça.

Em cena, a história de um locutor de rádio que divulga um caso de parrícidio “de um modo espetacular, que dá origem a uma espiral de violência de que o próprio é vítima”, resume a companhia, acrescentando que “três matulões abusam dele sexualmente na rua” e que o mesmo é depois acolhido por uma prostituta com quem mantém uma relação de amizade.

“Os matulões regressam à cena agora travestidos em polícias” e, pode ler-se no texto de apresentação da peça que o comportamento “de uns e outros é muito semelhante: a mesma violência”.

No final parecem duas estranhas figuras: uma criança que rouba e Deus, na figura de um mendigo.

A peça conta no entanto com a particularidade de ter “todas as figuras masculinas interpretadas por atrizes”, em resultado de mais um desafio lançado pela companhia ao dramaturgo e aceite por Joseph Danan que, enquanto encenador, acompanhou o trabalho de “uma espécie de coletivo feminino a representar a violência masculina”, explicou Fernando Mora Ramos.

A interpretação no feminino vai estar a cargo de Beatriz Antunes, Mafalda Taveira e Marta Taveira, a que se juntam em palco Fábio Costa, Fernando Mora Ramos e Nuno Machado.

O texto, escrito e encenado por Joseph Danan, foi traduzido por Isabel Lopes.

A peça, a última produção deste ano da companhia, estreia-se a 3 de novembro, na Sala Estúdio do Teatro da Rainha, onde poderá ser vista de quarta a sábado, sempre às 21h30, até ao dia 26 de novembro.

Até lá, a companhia prossegue com o ciclo “Diga 33 – Poesia no Teatro” que este mês propõe um encontro com o poeta António Ferra e, no dia 30, um concerto com Tiago da Neta, intitulado “canções sem palavras e danças sem passos”.

O Teatro da Rainha é uma companhia residente nas Caldas da Rainha que, ao longo de quase duas décadas, produziu espetáculos quer nesta cidade quer em Évora, Coimbra, Lisboa e Porto.

Tem atualmente em construção uma nova sede, projetada para aprofundar práticas de criação, experimentação e formação.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.

Artigos de opinião relacionados