Assinar


Mercado

Protestos de agricultores na Benedita congestionam trânsito no IC2

Os agricultores prometem continuar os protestos e continuar “atentos às negociações que decorrem” e que consideram “insuficientes perante os desafios atuais”.

Na passada sexta-feira, os agricultores realizaram uma marcha lenta em Leiria para alertar para os problemas do Vale do Lis

Cerca de meia centena de tratores e máquinas agrícolas congestionaram esta manhã o Itinerário Complementar (IC) 2 na zona da Benedita, no concelho de Alcobaça, onde agricultores da região Oeste protestam contra o atual estado do sector.

“Organizámos uma marcha lenta para mostrar o descontentamento dos agricultores da região Oeste e contra as políticas que não respondem às necessidades de vários sectores”, disse à agência Lusa o agricultor Paulo Ribeiro, um dos organizadores do protesto.

Desde as 5 horas, mais de 40 tratores, máquinas agrícolas e veículos ligados ao transporte de animais congestionaram o trânsito no IC2 entre o concelho de Rio Maior e a freguesia da Benedita, no concelho de Alcobaça.

O movimento, que se diz apartidário e independente, reclama a revisão do Plano Estratégico da Política Agrícola Comum, que considera não corresponder “às expectativas e necessidades” dos agricultores.

Num manifesto distribuído durante o protesto, os manifestantes contestam o facto de “frutas, carne e hortícolas oriundos de países terceiros “não serem “sujeito às mesmas regras e imposições de produção em Portugal”, sendo o consumidor “cativado pelo preço baixo” de produtos estrangeiros, em relação aos quais consideram ser “omitido o uso [na produção] de fitofármacos e medicamentos proibidos na União Europeia (UE)”.

No manifesto, os agricultores repudiam “a abertura de portas, por parte da UE, ao Mercosul [Mercado Comum do Sul]”, considerando tratar-se de “concorrência desleal, com prejuízo efetivo dos interesses e da segurança alimentar dos consumidores”.

“A inexistência de uma estrutura ou comissão séria e idónea que regule e supervisione o mercado ligado à produção agrícola cria entraves sérios ao escoamento da produção a um preço justo para o produtores”, criticam os agricultores, considerando “imprescindível capacitar o setor agrícola”, desde os produtores aos prestadores se serviços, à indústria.

No atual cenário geopolítico marcado por “guerras, catástrofes naturais e alterações climáticas”, os manifestantes alertam para a urgência de se “implementar medidas concretas” que defendam os interesses de Portugal e dos portugueses em tempos de escassez, de especulação e de inflação”.

Por isso, os agricultores prometem continuar os protestos e continuar “atentos às negociações que decorrem” e que consideram “insuficientes perante os desafios atuais”.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos relacionados

Subscreva!

Newsletters RL

Saber mais

Ao subscrever está a indicar que leu e compreendeu a nossa Política de Privacidade e Termos de uso.