Assinar Edições Digitais

Tens um talento desportivo?

Partilha connosco o que sabes fazer.

Envia o teu vídeo

Há um “local único”em Leiria onde as bolas batem com outra energia

Eram 7 horas quando, na terça-feira, dia 1 de setembro, o primeiro aluno pisou o court de terra batida dos campos de ténis dos Pousos.

Rui Faria, o conhecido fisioterapeuta leiriense, foi o aluno, enquanto André Lopes, o treinador (e amigo) e um dos novos rostos do projeto Rackets Sports Club de Leiria (RSCL) que este mês abriu no Azabucho.

“Este local é único. Não é fácil encontrar em Portugal, nem no mundo, um clube que consiga ter uma vertente social e uma de competição como a que encontramos aqui. Vamos tentar unir tudo, até porque um dos pontos fortes deste espaço sempre foi a parte social, que queremos manter”.

André Lopes (à direita na foto principal)

O técnico, que é ex-treinador de Rui Machado, esteve acompanhado pelo “núcleo duro” que integra o projeto. Guilherme Lopes, sócio fundador do Centro Internacional de Ténis de Leiria (CITL) e ex-presidente da Associação de Ténis de Leiria, é o presidente da direção. Frederico Lopes estará como coordenador nacional do centro de treino, enquanto André Lopes vai trabalhar com os atletas internacionais. Os dois treinadores serão apoiados por Ekaterina Lopes, antiga jogadora. Fábio Marto será responsável pelo departamento social, atividade que já desenvolvia no CITL nos últimos anos.

A ideia do RSCL surgiu há três anos mas só agora, com o fim da concessão do espaço ao CITL, tal como o REGIÃO DE LEIRIA divulgou nas suas edições, foi possível avançar com o projeto, explica André Lopes, que não coloca de lado a ideia de criar uma secção de padel e a realização de torneios internacionais jovens.

Aos seis campos de ténis, o RSCL pretende juntar, no edifício principal, salas de apoio ao estudo, para atletas nacionais e internacionais, em parceira com uma escola norte-americana; sala de exercícios e gabinete de fisioterapia, a cargo do “aluno” Rui Faria.

“Queremos ter aqui tudo aquilo que um atleta de alta competição necessita para evoluir”, afirma André Lopes.