Assinar
Sociedade

Pais protestam contra falta de professores em escola da Batalha

Os pais dos alunos de uma turma da Escola Mouzinho de Albuquerque, na Batalha concentraram-se esta manhã à porta do estabelecimento de ensino, em protesto contra a falta de professores.

Os pais dos alunos de uma turma do 5.º ano da Escola Básica (EB) 1 Mouzinho de Albuquerque, na Batalha, Leiria, concentraram-se esta manhã à porta do estabelecimento de ensino, em protesto contra a falta de professores.

Rogério Paulo, pai de um aluno do 5.º ano, explicou à agência Lusa, que a turma do seu educando só tem professores de Matemática, Ciências, Religião e Moral e Educação Visual e Tecnológica.

“Não tem mais professores e o docente de Matemática e Ciências é o mesmo”, disse.

O encarregado de educação afirmou ainda que a concentração à porta da escola é uma “forma de alertar o Ministério da Educação e mostrar ao país o que se passa”.

Segundo disse, o presidente da Câmara da Batalha e o responsável pela escola “têm feito diligências junto da DREC [Direção Regional de Educação do Centro], sem resposta”.

O vice-presidente da Comissão Administrativa provisória do Agrupamento de Escolas da Batalha, Fernando Sarmento, confirmou a falta de professores.

“É uma situação que nos preocupa e já estão solicitados. Estamos a aguardar a sua chegada a todo o momento”, adiantou.

O responsável revelou que a falta de professores decorre do facto de terem surgido “casos inesperados de doença com os docentes”, tendo a escola procedido “de imediato ao pedido de substituição”.

Fernando Sarmento disse ainda que a escola tem tido a preocupação de ocupar as crianças e preencher os tempos livres.

“Há colegas que estão a dar algumas disciplinas, no sentido de minimizar o mais possível os problemas”, disse.

A agência Lusa contactou a DREC, que remeteu um esclarecimento para mais tarde.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.