Assinar
Desporto

Rip Curl Pro Portugal em Peniche enche unidades hoteleiras

O Rip Curl Pro Portugal, etapa do circuito mundial de surf, que decorre em Peniche, está a ter impacto económico sobretudo na hotelaria da região, com taxas de ocupação muito elevadas em algumas unidades.

O Rip Curl Pro Portugal, etapa do circuito mundial de surf, que decorre em Peniche, está a ter impacto económico sobretudo na hotelaria da região, com taxas de ocupação muito elevadas em algumas unidades.

Quase 20 mil espectadores afluíram a Supertubos no domingo (fotografia: Carlos Pinto/Rip Curl)

“Estamos praticamente com uma ocupação a cem por cento, porque o hotel foi escolhido para ser a base da organização”, afirmou à agência Lusa Fernanda Beatriz, diretora de uma das unidades hoteleiras.

Só entre membros da organização e surfistas que integram o circuito mundial, estão alojadas nos hotéis da região mais de meio milhar de pessoas.

A realização da prova, já em época considerada baixa para o turismo na região, tem sido também aproveitada para o segmento hoteleiro efetuar promoções vocacionadas para surfistas ou público que assiste às provas.

“Temos recusado muitas reservas e temos reencaminhado os clientes para os nossos concorrentes, tendo em conta que tem havido bastante procura”, acrescentou.

Neste hotel, a estadia de um grande número de surfistas do circuito do mundial obrigou a unidade a alterar pequenos almoços, servindo-os mais cedo, devido o início madrugador da competição, e adequando-os às necessidades nutricionais destes desportistas.

Dada a distância das provas da cidade de Peniche, os surfistas são sobretudo vistos junto às praias, e, se a hotelaria tira partido da sua presença, o mesmo não se passa com restaurantes e bares.

Os almoços dos desportistas e organização são feitos nos locais do campeonato, afastando sobretudo os surfistas da cidade e da respetiva animação noturna, tendo em conta o início das provas logo pela manhã.

Por seu lado, o público vai a Peniche maioritariamente para assistir às provas.

Um estudo, que resultou de inquéritos efetuados pelo Instituto Politécnico de Leiria ao público na edição de 2009, revela que a maioria dos visitantes vai Peniche para ver a competição, sendo que não se trata da primeira deslocação ao concelho.

Na sua maioria, são sobretudo jovens portugueses entre os 17 e os 25 anos, que permanecem em Peniche durante os dias da prova.

É o caso de Martim Jusek, que veio de Sintra, onde regressa no próprio dia: “viemos almoçar e ver as provas, curtir o ambiente”, disse.

Carlos Pinho veio de Aveiro passar o fim-de-semana e, além de assistir às competições, espera visitar as praias e monumentos da região e provar a gastronomia.

Ao contrário da hotelaria, os restaurantes divergem ao falar do impacto da competição no setor, apesar de admitirem um ligeiro aumento na afluência de clientes.

“Não só os praticantes de surf, mas também o público vem a Peniche comer”, refere o empresário Nuno Nunes, enquanto para Mário Silva “o campeonato não traz muita gente” aos restaurantes, apesar de reconhecer que tem cinco a dez por cento de clientes a mais.

Ambos sem unânimes em afirmar que o campeonato contribui para divulgar Peniche e atrair durante o ano mais turistas, que passam pelos restaurantes.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.