Assinar Edições Digitais
Desporto

Assembleia municipal vota hoje proposta de venda do Estádio de Leiria

A Assembleia Municipal de Leiria vota hoje a proposta para levar a hasta pública, por 63 milhões de euros, o estádio Magalhães Pessoa, um dos palcos do Euro 2004.

A Assembleia Municipal de Leiria vota hoje a proposta para levar a hasta pública, pelo valor de 63 milhões de euros, o estádio Magalhães Pessoa, um dos palcos do Campeonato Europeu de Futebol de 2004.

A deliberação esteve agendada para quinta-feira da semana passada, mas não se realizou devido ao adiantado da hora – a sessão foi interrompida já passava da uma da manhã. A discussão é retomada esta noite, pelas 21:00, no centro associativo municipal, a que se seguirá a votação.

A câmara pretende alienar três de quatro frações do estádio, reservando para a autarquia um espaço de cerca de 2000 metros quadrados no topo norte (área inacabada do estádio) para reinstalar o centro associativo.

As outras frações são o remanescente do topo norte, o estacionamento, de 450 lugares, (estes dois espaços avaliados em 24 milhões de euros), e o campo de futebol e respetivas bancadas.

O presidente da autarquia, Raul Castro, justificou a realização da hasta pública com a situação financeira da câmara e com os custos que o estádio comporta, exemplificando com o pagamento, em 2010, de 5.015 euros por dia em juros e a existência de um serviço da dívida de 5,4 milhões de euros.

Na primeira parte da Assembleia Municipal, Raul Castro, independente eleito pelo PS, apontou outro fator que pesa na intenção da câmara: as despesas de conservação da infraestrutura que, “de um momento para o outro, vão ser acentuadas e podem agravar esta situação”.

Na ocasião, o autarca adiantou que “houve duas manifestações de interesse” para a aquisição, que não especificou, acrescentando: “Se não aparecer ninguém, pelo menos ficamos com a consciência tranquila, enquanto gestores, de que fizemos tudo para rentabilizar o estádio”.

Também hoje a Assembleia Municipal deverá apreciar e votar a proposta para privatizar o sistema multimunicipal de águas e saneamento por um período de 30 anos que, a concretizar-se, prevê um encaixe financeiro de 30 milhões de euros para o município.