Assinar Edições Digitais
Sociedade

Programa reabilitação urbana prevê investimento de 26,9 ME em Leiria até 2027

O novo programa de reabilitação do centro histórico de Leiria prevê um investimento de 26 milhões de euros até 2027 e assenta na iniciativa privada, disse o vice-presidente da autarquia.

O novo programa de reabilitação do centro histórico de Leiria prevê um investimento de 26 milhões de euros até 2027 e assenta na iniciativa privada, disse hoje à Lusa o vice-presidente da autarquia, Gonçalo Lopes.

“É uma peça essencial do programa, já que 20 milhões de euros do investimento vêm do privado”, sublinhou Gonçalo Lopes, definindo o projecto como “ambicioso”.

O Programa Estratégico de Reabilitação Urbana do centro histórico de Leiria prevê 21 acções prioritárias numa zona marcada pelo despovoamento.

A reabilitação da Igreja da Misericórdia e a reconversão das instalações da central rodoviária e do antigo edifício da moagem são algumas das acções ligadas ao investimento privado.

A criação de uma rede de transportes específica para o centro histórico e a reabilitação da Casa Eça de Queiroz, bem como da Igreja e do Convento dos Capuchos, são alguns dos exemplos de investimento público previsto pela autarquia até 2027.

O programa foi aprovado na última reunião da Câmara Municipal e define um conjunto de medidas para incentivar os privados para a reabilitação dos imóveis.

Passa pela dispensa de taxas de urbanização, por uma linha de crédito bonificado garantido através de um protocolo entre a autarquia e uma entidade bancária e pela minoração do IMI sobre prédios localizados na zona histórica da cidade.

A estas medidas juntam-se benefícios fiscais que vão desde a redução do IVA nas empreitadas de reabilitação, isenção de IMT na alienação de prédios ou fracções e a isenção do IMI por um período de cinco anos após a conclusão da obra de reabilitação – podendo ser renovada pelo mesmo período de tempo.

O estudo sublinha ainda que os privados interessados em investir no centro histórico terão apoio técnico municipal na elaboração de projectos e na execução de obras.

Já os proprietários de edifícios muito degradados ou devolutos são penalizados com a majoração do IMI.

A Área de Reabilitação Urbana corresponde a 40 hectares onde estão localizados 700 edifícios. Destes, 245 são anteriores a 1919, 280 são imóveis edificados no século XX até à década de 1940. Os restantes 175 prédios foram construídos após 1940.

Do total dos edifícios, um quarto encontra-se em mau estado ou em ruína e 100 estão devolutos.

O novo programa agora aprovado pela Câmara de Leiria tem por base um Estudo de Enquadramento Estratégico datado de 2008 e elaborado pela Parque Expo, a pedido da autarquia.

Lusa

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.