Assinar Edições Digitais
Sociedade

Direcção do Turismo Leiria-Fátima admite demitir-se em bloco

O Turismo Leiria-Fátima exige uma reunião com a secretária de Estado do Turismo, Cecília Meireles, e admite a demissão em bloco da sua direção caso esse encontro não ocorra até dia 15 de dezembro, disse hoje à Lusa o presidente da Assembleia-Geral, Raul Castro.

O Turismo Leiria-Fátima exige uma reunião com a secretária de Estado do Turismo, Cecília Meireles, e admite a demissão em bloco da sua direção caso esse encontro não ocorra até dia 15 de dezembro, disse hoje à Lusa o presidente da Assembleia-Geral, Raul Castro.

Um dos membros da direção do Turismo Leiria-Fátima, António Lucas – presidente da Câmara Municipal da Batalha -, já se demitiu, confirmou o próprio à Lusa.

Uma das razões para a demissão são os diversos pedidos para se realizar um encontro com a governante – com o intuito de encontrar soluções para a situação de sufoco em que vive o Turismo Leiria-Fátima – e “para os quais, até ao momento, não houve qualquer resposta”, lamentou António Lucas.

O autarca destacou ainda as dificuldades em garantir a transferência de verbas prometidas e que “tornavam impossível a elaboração de um orçamento de tesouraria, bem como a calendarização de pagamento a fornecedores”.

António Lucas revelou que, para além de não existirem “perspetivas de planeamento futuro”, responsabilizando a secretaria de Estado do Turismo e o Turismo de Portugal, há também fatores internos que o levaram a tomar esta decisão.

“Não ajudaram algumas situações como aquela em que no dia em que assumimos funções fomos surpreendidos com uma série de compromissos do anterior presidente”, um deles relativo “a um contrato de 18 mil euros assumido três dias antes de tomarmos posse e quando já se sabia que não era possível pagar porque não existia dinheiro”.

A asfixia económica admitida pelos responsáveis do Turismo Leiria-Fátima tem-se verificado no atraso no pagamento a fornecedores e de salários dos funcionários.

Assim que a nova direção tomou posse, em junho, após a demissão do anterior presidente, David Catarino, foram cancelados contratos de manutenção de sistemas informáticos, desativados os telemóveis utilizados pelos dirigentes e as autarquias passaram a assumir os custos dos postos de turismo, incluindo a remuneração dos funcionários que aí prestam serviço.

No final de setembro, dois deputados do PSD e a Associação para o Desenvolvimento de Leiria expressaram a sua preocupação face à situação financeira do Turismo Leiria-Fátima.

Os parlamentares Paulo Batista e Pedro Pimpão dirigiram questões à secretária de Estado, enquanto a associação acusou o Turismo de Portugal de secundarizar o Turismo Leiria-Fátima.

A Entidade Regional de Turismo Leiria-Fátima integra os concelhos de Leiria, Ourém, Porto de Mós, Batalha e Marinha Grande.

O atual presidente é o autarca de Ourém, Paulo Fonseca, que assume o cargo sem ser remunerado. Apesar de várias tentativas durante o dia de hoje, não foi possível ouvir este responsável.

Lusa