Assinar Edições Digitais
Cantinho dos Bichos

A sua ajuda pode ser fundamental para os bebés crescerem

Se encontrar alguma família felina em dificuldades, siga alguns dos cuidados básicos de suporte de vida e fale com um veterinário. Salva uma vida e ganha um amigo de quatro patas.

Se janeiro é o mês dos gatos, na primavera aparecem as primeiras ninhadas. E se, por vezes, é difícil arranjar destino para todos os “bebés”, no caso dos animais de rua, a situação pode complicar-se se a gata não possuir leite suficiente para os alimentar ou falecer antes das crias abrirem os olhos ou andarem.Qual a alternativa? Ser o homem a alimentá-los. Como? Recorrendo a técnicas recomendadas por veterinários e que pretendem retratar ao máximo os comportamentos dos felinos.

Dada a ausência da mãe, os pequenos podem estar frios. A solução passa por aquecê-los devagar através do calor corporal, sem recorrer a aquecedores.

Outro dos cuidados a adotar no tratamento dos recém-nascidos é no tipo de leite. “Existem leites de substituição que são a melhor maneira de alimentar um cachorro ou gatinho bebé até ao desmame. Não se deve dar leite de vaca ou outro similar (humano), porque pode provocar diarreia e desidratar o animal”, explica Olga Lagoa de Sousa, da Clínica Veterinária do Lis.

Mas também a posição do gato deve ser tida em conta, explica a veterinária. “A posição de amamentação deverá ser a mais fisiológica possível. Temos de imaginar os bebés a mamar e tentar que estejam na posição correta: mantê-los direitos, com o biberão inclinado 45 graus”, refere, lembrando que “se estiver inclinado de mais, o gato pode engasgar-se”.

Assim, se encontrar alguma família felina em dificuldades, não vire as costas e coloque mãos à obra. Siga alguns dos cuidados básicos de suporte de vida e fale com um veterinário. Salva uma vida e ganha um amigo de quatro patas.