Assinar
Mercado

Fábrica de conservas em Peniche cria 100 postos de trabalho

A ESIP, uma das principais empregadoras de Peniche, com 400 postos de trabalho permanentes e cerca de 400 em regime temporário, pretende ainda criar mais 100 postos até 2015

A Câmara de Peniche classifica-o como um “momento histórico”. A satisfação transmitida pela autarquia, em nota de imprensa, prende-se com “os grandes contributos” que o protocolo celebrado com a Docapesca e a fábrica de conservas European Seafood Investments Portugal vai trazer para o concelho.

“Este protocolo permite a recuperação do entreposto frigorífico de Peniche que se encontrava sem atividade há quase dois anos através de um milhão de euros de investimento. Paralelamente, irá permitir à ESIP, empresa que está integrada no maior grupo mundial de produção de conservas, um aumento substancial das suas condições de laboração quer em termos de capacidade de congelação, quer em termos de capacidade de armazenamento de matérias-primas”, revela a nota.

A empresa compromete-se a fazer a um investimento mínimo anual de 500 mil euros, durante 20 anos, tempo de vigência do contrato. Calcula-se que com o protocolo, o porto de Peniche receba um aumento no movimento de pescado.

A ESIP, uma das principais empregadoras do concelho de Peniche, com 400 postos de trabalho permanentes e cerca de 400 em regime de trabalho temporário, pretende ainda criar mais 100 postos de trabalho, até 2015.

A nível ambiental estão ainda previstos investimentos  na ordem dos 300 mil euros que assegurem a sustentabilidade ambiental exigida para a atividade industrial relacionada com a produção de conservas de pescado.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.