Assinar Edições Digitais
Saúde

Peixes doutores chegam a Pombal e Leiria para cuidar da sua pele

São cerca de 2.000 os peixes garra rufa, também conhecidos como peixes doutores, que ocupam desde o início do mês cinco aquários e uma banheira no SPA Mister Fixe, no Shopping Pombal.

São cerca de 2.000 os peixes garra rufa, também conhecidos como peixes doutores, que ocupam desde o início do mês cinco aquários (quatro para pés e um para mãos) e uma banheira no SPA Mister Fixe, no Shopping Pombal.
Já em Leiria, a LeiriEstética adquiriu há cerca de um mês 150 peixes garra rufa para prestar novos serviços na área dos cuidados de pés e mãos.

Bem conhecidos e com experiência reconhecida no tratamento da psoríase, os “peixes doutores” têm por tarefa realizar pedicures, manicures ou “esfoliações” corporais 100% naturais, sugando suavemente as células mortas e calosidades da pele, e proporcionando a regeneração da epiderme, ao mesmo tempo que se alimentam.

Ictioterapia é como é designado o novo conceito originário da Turquia, que, para além da psoríase, atenua também disidroses, eczemas, dermatites, varizes, micoses, fungos e pele atópica.

Além da micromassagem e da sensação de bem-estar decorrentes da atuação dos garra rufa, cada sessão permite ainda estimular o fluxo sanguíneo, libertar a fadiga e deixar a pele rejuvenescida, explicam as técnicas responsáveis pelo tratamento.

“São peixes com características únicas, inofensivos e desdentados, muito resistentes, que podem viver em ambientes e temperaturas bastante hostis, águas quentes com temperaturas em torno de 26 – 35 graus Celsius”, lê-se no site do Mister Fixe, marca franchisada com sete lojas no país.

Segundo Sylvie de Sá, proprietária do novo espaço em Pombal, esta terapia não possui contra-indicações, podendo ser praticada por qualquer pessoa e em qualquer idade, sem necessidade de prévia autorização médica.

Ana Filipe, esteticista na LeiriEstética, adianta, por sua vez, que a ictioterapia é também recomendada a diabéticos e idosos, para pedicures em que não é aconselhado o recurso a lâminas. Não é, em contrapartida, aconselhada a quem apresente feridas, infeções ou queimaduras recentes, acrescenta.

Leia mais na edição de 21 de dezembro de 2012

Martine Rainho
martine.rainho@regiaodeleiria.pt

Joaquim Dâmaso (fotografia)
joaquim.damaso@regiaodeleiria.pt