Assinar Edições Digitais
Mercado

Moagem Leiriense vai ser reabilitada para receber bares e restaurantes

Câmara de Leiria aprova novo projeto de arquitetura que prevê 30 apartamentos de luxo e 12 espaços comerciais, além de estacionamento em cave.

A recuperação da antiga Moagem foi aprovada pela Câmara de Leiria no início de março e prevê a reabilitação da Igreja e Convento de São Francisco, um imóvel classificado de interesse público. O claustro do antigo Convento é transformado para acolher lojas, restaurantes e bares com esplanada, enquanto os velhos silos industriais dão lugar a apartamentos de luxo.

O claustro do antigo Convento será reabilitado para acolher esplanadas, bares e restaurantes (imagem do projeto de arquitetura)

Ao todo, nascem 30 habitações e 12 estabelecimentos comerciais no centro da cidade.

Aprovada a operação urbanística, a sociedade imobiliária Companhia Leiriense de Moagem, liderada pelo empresário Armando Lopes, tem agora seis meses para apresentar os diversos projetos de especialidade.

Segundo Alberto Vieira, representante da sociedade, “a intenção é avançar” rapidamente, com “a esperança” de que a conjuntura económica “vai melhorar”.

O prazo de conclusão da obra é de 24 meses, num investimento de “alguns milhões de euros”, que não quis especificar.

Recorde-se que o processo de alteração, reabilitação e ampliação da Moagem começou em 2002 e que o município chegou a conceder uma licença de construção em 2009.

Foram os próprios promotores a solicitar o arquivamento para proporem novo projeto, da autoria do arquiteto António Garcia.

A ideia é preservar o edifício principal, com intervenção mínima na fachada e demolição dos anexos. Há depois um segundo corpo formado pelos antigos silos industriais e está prevista a construção de raiz de um terceiro edifício, do lado do rio, em linguagem contemporânea. Entre o novo volume e o imóvel pré-existente aparece um espaço verde exterior.

Apartamentos tipo loft

De acordo com a memória descritiva entregue à autarquia, os estabelecimentos de comércio, restauração e bebidas ficam todos no piso térreo, distribuídos pelos três edifícios, enquanto o claustro do antigo Convento passa a estabelecer a passagem a pé entre a rua Camilo Korrodi e a avenida D. João III. Os promotores querem lojas-âncora e garantem a continuidade do banco BIC.

Quanto às habitações, ocupam os pisos superiores (um a quatro). O arquiteto António Garcia promete estilos e tipologias muito diferentes.

No edifício principal e nos antigos silos estão planeados apartamentos tipo loft com mezzanine, zonas de duplo pé direito e elementos da velha estrutura metálica, mantendo o cariz industrial.

No edifício novo, é de esperar fogos mais convencionais. Quase metade dos apartamentos são duplex e as tipologias variam entre T1 e T4. Na cave, 18 arrecadações e estacionamento para 30 viaturas.

Dado o interesse do imóvel, a execução da obra impõe a presença de um técnico de arqueologia, à semelhança do que já aconteceu nos anos de 2002, 2003 e 2011, em trabalhos de natureza preliminar.

No âmbito da operação urbanística, os promotores ficam responsáveis pelos arranjos exteriores e estão obrigados a indemnizar o município em 160 mil euros.

(Notícia publicada na edição de 7 de março de 2013)


Cláudio Garcia
claudio.garcia@regiaodeleiria.pt