Assinar Edições Digitais
Sociedade

População mobilizada para desobstruir estradas na Mata da Marinha Grande

Se o Estado não desobstrui as estradas da Mata Nacional, então a população põe mãos à obra e organiza uma operação de limpeza, marcada para 28 de abril.

Se o Estado não desobstrui as estradas da Mata Nacional, então a população põe mãos à obra e organiza uma operação de limpeza.

Efeitos do temporal de 19 de janeiro ainda se fazem sentir (fotografia: Miguel Costa)

Em poucas palavras, é isso mesmo o que está a ser preparado com a ajuda das redes sociais. O tradicional passa palavra e o mais atual evento do Facebook já começaram a angariar participantes.

Domingo, dia 28, logo pela manhã, junto ao Vale dos Pirilampos, na Marinha Grande, arranca o trabalho. “Temos muito presente o inferno que o concelho viveu durante o incêndio de 2003. Por isso é urgente prevenir”, referem Ana Paula Silva, Artur Marques, Carlos Carvalho e Pedro Fonseca, elementos da organização da operação de limpeza.

O problema remonta ao dia 19 de janeiro: “As árvores caídas durante o temporal que obstruíram as estradas principais, foram retiradas”, explicam.

“As restantes estradas continuam completamente obstruídas, mas trata-se de acácias, árvores sem valor económico e por isso o desinteresse por parte dos madeireiros”, referem.

Além da iniciativa popular, houve já pelo menos duas diligências oficiais: a intervenção do deputado João Paulo Pedrosa (PS), que questionou o Governo sobre a data prevista para a desobstrução das estradas, e uma reunião do presidente da Câmara da Marinha Grande, Álvaro Pereira, com a tutela. O autarca lamentou a falta de respostas. O parlamentar recebeu a indicação de que teria sido aberto um procedimento concursal para resolver o problema. Desconhece, para já, a data dessa intervenção.

(Notícia publicada na edição de 18 de abril de 2013)