E se as pedreiras abandonadas no Maciço Calcário Estremenho regressarem à vida com hotéis construídos na rocha? A ideia pertence a dois escultores de Caldas da Rainha e Alcobaça que pretendem reanimar a indústria da transformação de pedra.

Para Renato Silva e Thierry Ferreira, os alojamentos turístiscos podem aliviar as feridas na paisagem e ajudar a requalificar antigas zonas de exploração, que em muitos casos se localizam no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros.

“Seriam escavados na própria parede e a circulação a nível de acessos e escadarias poderia ser exterior”, descreve Renato Silva, sugerindo a criação de uma rota de turismo de montanha entre as várias unidades.

Esta e outras propostas integram o projeto All Stone, que os dois escultores do coletivo Estremenho estão a dinamizar com a parceria da Assimagra – Associação Portuguesa dos Industriais de Mármores, Granitos e Ramos Afins.

O projeto já tem o apoio de cinco municípios: Alcobaça, Alcanena, Batalha, Ourém e Porto de Mós.

Segundo Renato Silva, o projeto All Stone destina-se a “unir esforços para potenciar o comércio à volta do Maciço  Calcário”, numa ótica “de valorização do produto”.

Atualmente, as empresas ligadas à extração beneficiam de crescentes exportações de blocos em bruto para a China, mas  as que dependem da transformação sofreram uma quebra acentuada da procura devido à crise na construção civil.

Os dois escultores querem aproximar os criativos da indústria, com residências artísticas em empresas, um simpósio de escultura e novos desenhos para a calçada à portuguesa.

(Notícia publicada na edição de 2 de maio de 2013)

CG