Assinar
Sociedade

"Lucchetti d’amore" chegam a Leiria

A moda dos “lucchetti d’amore” (cadeados do amor) que já passou por países como Itália, França e Alemanha, chegou a Leiria, à ponte ondulada sobre o rio Lis.

A moda dos “lucchetti d’amore” (cadeados do amor) que já passou por países como Itália, França e Alemanha, chegou a Leiria. A ponte ondulada sobre o rio Lis, situada nas traseiras da Rodoviária, foi o local escolhido para selar promessas de amor.

No início do mês a ponte ostentava oito cadeados (fotografia: Joaquim Dâmaso)

Os casais prendem um cadeado na proteção de ferro, personalizado ou sem qualquer inscrição e, de costas para a corrente, lançam a chave à água.

No entanto, os cadeados encontrados sobre o rio e que despertam a atenção de quem lá passa, não se restringem a juras de amor. Em alguns pode ler-se “Leiria já pertence à minha vida há 3 anos. Vou ter saudades quando sair daqui. 5 anos em Leiria. Filipa M.”, e “se eu não fosse de Leiria viveria na mesma mas não seria o mesmo. Joana R.”.

Ninguém sabe ao certo como e quando esta moda surgiu. Mas a maioria defende que se deve ao livro “Sou louco por você” do escritor italiano Federico Moccia.

Quanto às provas de amor sobre o rio Lis, Raul Castro, presidente do município, considera-as uma “expressão material da paixão, com um cunho de irreverência próprio dos jovens”. No caso de Leiria aderir em massa a esta moda, promete “analisar na altura própria a melhor solução”.

Em Florença, na Ponte Vecchio, foram retirados cerca de 375 quilos de juras de amor, e quem for apanhado a colocar um cadeado arrisca-se a pagar uma coima de 50 euros. Já em Paris, na Ponte das Artes, desapareceram cerca de dois mil cadeados.

Por cá, resta saber se a ponte ondulada sobre o Lis está preparada para o peso da paixão leiriense.

(Notícia publicada na edição de 9 de maio de 2013)

Vera Pereira
vera.pereira@regiaodeleiria.pt

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.