Assinar
Cultura

Na Batalha, a Ponte da Boutaca ganha vida este domingo

As casas dos portageiros da Ponte da Boutaca ganham vida este domingo, com artesanato, oficinas e venda de produtos. Uma experiência que pode servir de exemplo para o futuro daqueles espaços.

É caso único no país. Trata-se de uma ponte antiga com autênticas cabines de portagem que, domingo, dia 19, vão virar espaços comerciais. Para já, a experiência passa pela utilização durante uma só tarde, mas poderá servir de modelo para a eventual dinamização do espaço.

Na prática, as casas de portageiros da Ponte da Boutaca vão ter via verde para o artesanato e para produtos típicos, entre as 14h30 e as 18h30 de 19 de maio. Por uma tarde, a ponte construída no século XIX, abre portas à tradição.

O aproveitamento turístico das cabines que no passado serviram de albergue aos portageiros chegou a ser um projeto do município local.

António Lucas, presidente da Câmara da Batalha, explica que os crescentes constrangimentos impostos às autarquias, nomeadamente ao nível da contratação de recursos humanos, inviabilizaram os planos municipais de dinamização da ponte.

Contudo, “estamos totalmente disponíveis para discutir este assunto com associações que mobilizem os recursos humanos que em regime de voluntariado possam dar vida àquele espaço”, assegura.

Para já, é pela mão do Rancho Folclórico Rosas do Lena que as quatro casas de portageiros abrirão portas.

Em colaboração com o município, aí vão ser instaladas uma taberna típica com produtos regionais e oficinas de artesanato, para mostra do trabalho artesanal e venda de produtos.

Será uma forma original de assinalar o meio século de atividade do agrupamento folclórico. Nessa mesma tarde, haverá animação musical e a possibilidade de visita ao Centro de Interpretação da primeira posição das forças portuguesas na Batalha de Aljubarrota.

CSA

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.