Assinar Edições Digitais
Saúde

Cruz Vermelha de Pombal renasce para combater obesidade

É o primeiro projeto da recém-renascida Cruz Vermelha de Pombal: sinalizar casos de obesidade infantil e ajudar a resolvê-los através de consultas de nutrição gratuitas

É o primeiro projeto da recém-renascida Cruz Vermelha de Pombal: sinalizar casos de obesidade infantil no concelho e ajudar a resolvê-los através de consultas de nutrição gratuitas. A iniciativa arranca já no próximo ano letivo.

p45-saudeO programa será desenvolvido em parceria com um agrupamento de escolas do concelho (as negociações estão ainda em curso pelo que, para já, não se sabe quais as escolas envolvidas). A Cruz Vermelha vai realizar um estudo junto dos alunos do 5º ano – medindo índices de massa corporal e percentis – e identificar os casos de risco de obesidade. As crianças sinalizadas serão convidadas a frequentar consultas de nutrição na sede da Cruz Vermelha, que garantirá o acompanhamento gratuito até que elas completem 18 anos. Paralelamente, serão desenvolvidas ações de sensibilização junto de pais e encarregados de educação.

Para já, o projeto está ainda numa fase embrionária, até porque a delegação – relançada a 2 de agosto, depois de um período de vários anos de inatividade – não tem ainda sede física no concelho. Para hoje, quinta-feira, estava marcada uma reunião entre a comissão administrativa, presidida pelo nutricionista Jorge Ferreira, e a autarquia de Pombal, que se disponibilizou para ceder um espaço. Uma das possibilidades em discussão é a antiga sede da empresa municipal Pombal Viva, no edifício do Teatro Cine.

Depois de instalada, a Cruz Vermelha vai começar a aceitar inscrições de voluntários. Mas, por enquanto, a delegação não vai prestar serviços de socorro. “Ter um posto de socorro está nos nossos horizontes mas, devido à falta de recursos, vamos começar por atividades sem custos”, explica Jorge Ferreira.

Além disso, o presidente da delegação entende que a estrutura deve começar por trabalhar em áreas que não têm resposta no concelho. “Não faz sentido duplicar o que já existe”, frisa. No início de 2014, o objetivo passa por avançar com um programa de prevenção de doenças cancerígenas.

Sandra Mesquita Ferreira
sandra.ferreira@regiaodeleiria.pt