Assinar Edições Digitais
Cultura

Obra na Rua Direita abre projeto no centro histórico de Leiria

A reabilitação de um quarteirão maioritariamente desocupado na Rua Direita, obra a iniciar antes do verão, é o primeiro projeto de um grupo que quer intervir no centro histórico de Leiria.

p22 casa-cor JD
Renovação do quarteirão que inclui o número 68 está para breve (fotografia: Joaquim Dâmaso)

A renovação dos lotes que incluem o edifício com o número 68, em frente ao bar Mau Feitio, visa criar habitação para arrendamento, em diversas tipologias, e é uma espécie de pontapé de saída.

No centro histórico de Leiria, a agência de mediação imobiliária Twelvesquare tem atualmente algumas dezenas de imóveis em carteira, disponíveis para comercialização e reabilitação.

Desde áreas pequenas (25 metros quadrados) até outras com mais de mil metros quadrados, o que significa investimentos iniciais que variam entre 35 mil euros e quatro milhões de euros.

A maior parte dos edifícios estão vazios e pertencem a mais do que uma pessoa, sobretudo herdeiros. O trabalho da agência consiste em fazer a ponte entre os proprietários e o mercado, atraindo investidores e interessados na ocupação do espaço, trate-se de particulares (para residir) ou empresas e profissionais liberais (para trabalhar). Os dossiês contemplam propostas de obra e de negócios, bem como instrumentos de financiamento.

O modelo de intervenção no centro histórico que está a ser desenvolvido desde 2011 pela Twelvesquare, em parceria com três gabinetes de arquitetura, tem por objetivo fixar moradores na zona mais antiga da cidade, quer mantendo a população atual quer atraindo outros residentes.

Para tanto, ba­seia-se em habitação própria ou para arrendamento, além de novos espaços de turismo e comércio. Fonte da Twelvesquare lembra que alguns milhares de pessoas abandonaram o centro de Leiria nos últimos anos, conforme está documentado em vários levantamentos.

Neste conjunto de ideias para aquela área crítica, os responsáveis da agência consideram que é essencial “melhorar e modernizar o comércio” e ter “duas ou três âncoras” que possam atrair clientes para toda a malha comercial.

A ligação do turismo ao património histórico e cultural – aproveitando, por exemplo, as informações sobre a judiaria, a obra literária de Eça de Queiroz e o percurso do historiador José Hermano Saraiva, nascido em Leiria – também é vista como fundamental.

Próximos passos: atrair investidores e construtores capacitados para a reabilitação. A possibilidade de recurso a financiamentos comunitários – nomeadamente, a iniciativa Jessica – está a ser trabalhada.

(Notícia publicada na edição de 27 de fevereiro de 2014)