O valor depositado no distrito de Leiria por emigrantes voltou a subir em 2013, pelo terceiro ano consecutivo, revelou esta semana o Banco de Portugal, que se baseia nos saldos das contas bancárias a 31 de dezembro.

p23 emigrar-corNo final do ano passado, os depósitos e equiparados de emigrantes atingiram 408 milhões de euros, um crescimento de 6,5% relativamente a 2012.

Com mais portugueses a deixar o país para procurar alternativas de trabalho, as remessas enviadas pela nova vaga de emigração começam a surgir nos balanços das instituições financeiras e o saldo de 408 milhões de euros nas agências do distrito de Leiria, em 31 de dezembro de 2013, é o mais alto desde 2005. O máximo histórico nesta série iniciada em 1990 continua a ser de 753 milhões de euros, registados em 1993.

De acordo com o Banco de Portugal, havia sete distritos com valores superiores depositados por emigrantes, nomeadamente Aveiro, Braga, Lisboa, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu, além da região autónoma da Madeira.

A nível nacional, as remessas excederam pela primeira vez os três mil milhões de euros, depois de um crescimento de 9,6% face a 2012. A comunidade lusa em França é a que mais dinheiro envia para o país de origem, cerca de 30% do total. Aparecem depois os trabalhadores portugueses na Suíça, responsáveis por 24% do bolo acumulado ao longo do ano de 2013, revela a Visão Online.

Segundo estimativas do secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, entre 100 mil a 120 mil pessoas em idade ativa saíram de Portugal no ano passado para trabalhar ou estudar lá fora, incluindo tanto estadias temporárias no estrangeiro como ausências por períodos superiores a um ano.

(Notícia publicada na edição de 27 de março de 2014)