Assinar Edições Digitais
Sociedade

Câmara da Batalha quer demolir depósitos de vinho para criar jardim

Os depósitos do Instituto da Vinha e do Vinho, instalados na margem do rio Lena, em plena vila da Batalha, podem vir a ser demolidos para dar origem a um jardim.

Os depósitos do Instituto da Vinha e do Vinho, instalados na margem do rio Lena, em plena vila da Batalha, podem vir a ser demolidos. Essa é a intenção da Câmara da Batalha que atualmente negoceia a aquisição do espaço onde estão instalados os depósitos, visando demoli-los e no local criar um espaço verde, revela Paulo Batista Santos, presidente da Câmara da Batalha.

lena
Plano de reabilitação das margens do Lena pode incluir equipamentos de manutenção e parque radical

“Estamos na expectativa de chegar a um acordo, para alargar a reabilitação das margens”, explica o autarca. Adianta ainda que “os depósitos são um problema ambiental, pois são edifícios deteriorados, com elevadas cargas de amianto que podem contaminar solos e rios”.

A concretizar-se a aquisição dos antigos depósitos, aquela zona será incluída na requalificação das margens do rio que será concretizada no âmbito do projeto de valorização ambiental e criação de um parque ecológico, atualmente já em fase de adjudicação.

A instalação de equipamentos de manutenção e um parque radical, são algumas das iniciativas previstas para a zona ribeirinha.

Em simultâneo, está em fase semelhante o projeto de criação do eixo circular ao rio Lena. Na prática, trata-se de uma nova variante que visa descongestionar o trânsito na vila, apontando para a consequente diminuição de ruído e poluição. Ambos os projetos pretendem assegurar verbas da reprogramação do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) e deverão arrancar ainda este ano, contando com 12 meses para a sua concretização.

A urgência na sua implementação implicou um processo de declaração de utilidade pública com autorização de posse administrativa,
através da expropriação.

Paulo Batista Santos adianta já ter conversado com os proprietários dos terrenos em causa, existindo, com a esmagadora maioria, um princípio de acordo para a aquisição dos imóveis.

CSA

(Notícia publicada na edição de 12 de junho de 2014)