Select Page

Autárquicas 2017: Candidatos à Câmara de Pombal

Freguesias: Almagreira, Abiul, Carnide, Louriçal, Meirinhas, Vila Cã, Pelariga, Pombal, Redinha, Vermoil, Carriço, União da Guia, Ilha e Mata Mourisca, União de Santiago e São Simão de Litém e Albergaria dos Doze

Área: 626.00 km2
População: 55 217 (2011)
Eleitores: 52 182 (2017)
Desempregados (%) entre residentes em idade ativa: 4,9% (2016)
Índice de Envelhecimento: 191,1 (2016)
Poder de compra per capita: 85,3% (2013)
Feriado Municipal: 11 de novembro

O concelho de Pombal tem vindo a afirmar-se como um dos municípios onde o PSD se afirma no distrito de Leiria, onde os sociais-democratas conquistam a Câmara de forma ininterrupta desde 1993.

Durante cerca de 20 anos, a Câmara foi liderada por Narciso Mota, um dinossauro autárquico que teve que se arredar do poder em 2013, por imposição legal, que passou a estabelecer um limite máximo de três mandatos na liderança de um município.

Seguiu-se Diogo Mateus, que era vice-presidente de Narciso Mota. Apesar da mudança, em 2013, o PSD voltou a conquistar o município e o atual presidente é recandidato ao cargo. No entanto, face à entrada do antigo presidente Narciso Mota, que concorre como independente, a vitória do PSD já não é dada como certa e garantida.

Bloco candidata Gonçalo Pessa

Militante do Bloco, Gonçalo Pessa, economista de 23 anos, é natural de Pombal e trabalha no Banco de Portugal. Os objetivos traçados são ambiciosos e passam por o partido “ter eleitos em todos os órgãos para os quais” vão concorrer.

Políticas de combate à precariedade laboral, criação de mais condições para a fixação de jovens e uma melhor integração da comunidade cigana do concelho são outras das propostas do Bloco, que se candidatou pela última vez ao município em 2009, altura em que teve 1,85% dos votos.

CDS avança com Sidónio Santos

Sidónio Santos, presidente da concelhia do CDS em Pombal, é o candidato do partido à liderança da Câmara. O objetivo mínimo para estas autárquicas, por parte do terceiro partido mais votado nas últimas eleições, é eleger um vereador para a Câmara de Pombal, algo que escapou aos centristas em 2013.

Sidónio Santos, deputado da assembleia municipal de 37 anos, acredita que o partido vai ser “a grande surpresa” destas autárquicas, considerando que o CDS tem vindo a consolidar a sua posição no espaço político em Pombal, sendo o único partido, para além do PSD, a liderar uma freguesia no concelho.

Fernando Domingues é o candidato da CDU

O presidente da associação de compartes dos baldios do Barrocal, Fernando Domingues, é o cabeça de lista da CDU à liderança da Câmara, tal como em 2013.

O candidato da coligação PCP/PEV é um pequeno empresário e membro da Confederação Nacional de Agricultura, sendo ainda um dos rostos na luta que decorre no Barrocal, onde a população procura impedir uma alegada expansão da exploração de inertes por parte de uma pedreira. Procura reforçar a sua posição na Assembleia Municipal, voltando a eleger um membro e, se possível, a aumentar a representação naquele órgão.

Amílcar Malho avança como independente

O economista Amílcar Malho, de 51 anos, anunciou que avança com uma candidatura independente ao concelho. Natural da freguesia de Abiul sublinha que os projetos que existem “são velhos e incapazes de ir ao encontro do desenvolvimento sustentável de Pombal”.

Amílcar Malho fez carreira na área da gestão de investimento em mercados financeiros em Lisboa e quer utilizar essa experiência para ter uma Câmara mais ativa na captação de investimento. Como propostas, defende a criação de uma incubadora e uma “Escola de Saberes”, em que reformados poderão “passar o seu conhecimento”.

Pascoal Duarte Oliveira é candidato pelo MPT

O MPT – Partido da Terra tem como cabeça de lista Pascoal Duarte Oliveira, que foi convidado pelo partido para ser  candidato. Em declarações à Lusa, Duarte Oliveira sublinhou que as preocupações na campanha vão-se centrar nas aldeias, no ordenamento do território, na falta de pessoas e na emigração.

“Queremos perceber por que razão quem foi embora não voltou e porque é que há emprego e falta de mão-de-obra”, sublinhou Pascoal Duarte Oliveira, técnico de emprego de 46 anos, que considera que “há muito tempo que tem uma linha de pensamento igual” à do partido.

Narciso Mota quer regressar como independente

O ex-presidente da Câmara Narciso Mota ainda tentou ser o candidato do PSD, numa luta interna que durou vários meses. Acabou por decidir avançar como independente e desfiliar-se do partido. Conta com o apoio dos ex-deputados eleitos pelo PSD Rodrigues Marques e Ofélia Moleiro.

O programa prevê muitas obras: uma piscina ao ar livre, uma pista de atletismo descoberta, um parque de campismo na Mata Nacional do Urso, um albergue para peregrinos e um parque industrial. O programa perspetiva ainda a implementação de rotas “PombBusNight”, o ordenamento dos terrenos baldios, a reabilitação da zona histórica e a recuperação e revitalização de algumas aldeias.

PS aposta em Jorge Claro

Tem que se recuar quase um quarto de século para se relembrar a última vez que o PS liderou a Câmara de Pombal. No entanto, o candidato dos socialistas, Jorge Claro, crê que há hoje condições para a situação se alterar.

O vereador que está na oposição tem como expectativa ganhar, sentindo que “as coisas estão a mudar”.  Jorge Claro já trabalhou nos ministérios da Agricultura e da Economia, esteve na direção da Cooperativa Agrícola, na CERCIPOM, na Rádio Cardal e no Mercado Abastecedor de Coimbra.

PSD recandidata Diogo Mateus

A escolha do nome por parte do PSD foi natural: o atual presidente do município. Diogo Mateus, de 47 anos, é formado em Direito e, para além de ter assumido diversas funções na Câmara, foi também presidente da Junta de Pombal e adjunto do Governador Civil de Leiria.

Foi, durante vários anos, membro do executivo liderado por Narciso Mota, tendo chegado a assumir a vice-presidência. Caso vença, será o seu segundo mandato à frente da Câmara. Para as autárquicas, decidiu criar uma plataforma digital para receber propostas para o seu programa de campanha. “Este não é um projeto para um mandato”, disse.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A Câmara Municipal da Marinha Grande deve comprar as piscinas de São Pedro de Moel?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This