Select Page

Novo canil municipal de Leiria “parado” por falta de terreno

A Câmara de Leiria ainda não encontrou um terreno para instalar um novo canil municipal que seja aceite pela vizinhança.

O projeto, contemplado no Orçamento do Município, está dependente desse local para avançar, admitiu na sexta-feira, dia 15, Raul Castro, presidente da autarquia, na reunião da Assembleia Municipal (AML) quando confrontado sobre a demora na execução do futuro Centro de Recolha Oficial Animal (CROA).

A questão foi levantada, no período reservado ao público, pela munícipe Célia Loureiro que aproveitou para apelar à esterilização em massa de animais abandonados. A munícipe considerou “urgente esterilizar o maior número possível de animais”, tendo em conta o elevado número de cães e gatos deixados ao abandono e a falta de capacidade de resposta das associações e dos seus voluntários que “estão exaustos”.

Frisando tratar-se de “um problema de saúde pública”, Célia Loureiro defendeu ainda a necessidade de “criar condições no canil municipal para que os animais possam ser esterilizados a preços acessíveis”. “Só a esterilização em massa”, realizada diariamente pelo veterinário da Câmara “pode fazer face ao problema”, sustentou, convidando Leiria “a pensar em grande e não continuar a depositar as suas obrigações nas mãos das associações”.

Além de fazer eco destas preocupações, Cristina Coelho, deputada eleita pelo PAN – Pessoas-Animais-Natureza, lembrou ainda ter passado mais de um ano desde que a Câmara suspendeu o abate de animais no canil antecipando a entrada em vigor da nova lei e do anúncio de um projeto para um novo centro de recolha. Segundo as Grandes Opções do Plano do Município de Leiria, foi atribuído à construção do CROA um montante de 190 mil euros, a distribuir entre 2018 (150 mil euros) e 2019 (40 mil), prazo que Cristina Coelho considera excessivo para a obra em causa.

Questionou ainda Raul castro sobre a necessidade de protocolos com clínicas privadas para a esterilização de animais quando dispõe de um veterinário municipal.

Rebatendo as acusações e “críticas com alguma demagogia”, Raul Castro lamentou que a culpa do problema seja atribuída à Câmara e não a quem abandona os animais nas matas, estimando que nos próximos três anos se registem mais de mil cães e gatos abandonados pelo concelho.

Segundo o autarca, o CROA de Leiria está atualmente sobrelotado com cerca de 40 canídeos distribuídos por 11 celas. Sublinha, por outro lado, que todos os animais recolhidos “foram esterilizados, vacinados e chipados” e que a celebração de protocolos com clínicas privadas deveu-se “à necessidade de dar resposta ao número elevado de animais depositados à porta do canil”.

A construção do canil depende contudo de uma localização que não suscite contestação, referiu ainda o edil, certo contudo de que o canil “não vai resolver o problema” que se adensa, nomeadamente porque a adoção tem sido “residual” e apesar de várias campanhas de sensibilização.

Martine Rainho
Jornalista
martine.rainho@regiaodeleiria.pt

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

A Câmara de Leiria deve transferir, a partir de 2020, a Feira de Maio para uma nova localização?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Guia do Fim de Semana


Subscreva o nosso guia e descubra as melhores propostas culturais e de entretenimento disponíveis na região

Obrigado! Subscreveu com sucesso o nosso guia de fim de semana.

Share This