Select Page

Slackline: caminhar suspenso numa corda por cima das ondas da Nazaré é o novo desafio

Se surfar as ondas gigantes da Nazaré é uma missão só para os Bond do surf, imagine andar 25 metros em cima de uma corda, com as ondas a rebentar lá em baixo.

O desafio, radical, foi cumprido pela terceira vez, em janeiro, por um grupo de slackliners chamado Western Riders. A modalidade, slackline, consiste em fazer travessias sobre cordas bambas. No caso da travessia sobre a água, como acontece na Nazaré, denomina-se highlining.

“Fomos pela primeira vez à Nazaré, em fevereiro de 2017, a convite de um surfista de grandes ondas, Andrey Karr, que na altura estava a começar a fazer slackline e teve a ideia de montar a fita por cima da água”, conta Cláudio Dores, um dos quatro elementos do grupo. Sem material nem conhecimento suficiente para fazer a travessia entre as duas extremidades, o surfista convidou os Western Riders a juntarem-se a ele.

O desafio foi aceite e a equipa esticou a corda entre o penhasco da Praia do Norte e a Pedra do Guilhim, cumprindo a travessia. Regressaram em dezembro passado para nova sessão e não passaram despercebidos a quem passeava junto ao Forte de S. Miguel Arcanjo. Repetiram-no em janeiro passado.

“Em Portugal há muito pouca gente a fazer este desporto. Nós formamos o coletivo com o intuito de mostrar a nossa paixão e promover o highline”, explica.

Naturais de Cascais e Sintra, passam bastante tempo a praticar no Cabo da Roca e por ser o western most point da Europa, deu nome ao coletivo: Western Riders. Sagres e Lousã são outros dos locais onde praticam este desporto radical, bastante difundido na Europa, “mas nenhum tem o fator das ondas como se vê na Nazaré”.

Ao Cláudio Dores, de 33 anos, José Ferreira, de 34 anos, e Pedro Domingos “Pêpê”, de 23 anos, juntou-se Emerson Machado, de 28 anos, natural do Brasil e que se encontra a residir atualmente na Nazaré. É ele um dos protagonistas do vídeo imensamente partilhado nas redes sociais.

 

Nesta “loucura” nada é feito ao acaso. O projeto foi cautelosamente preparado pelos highliners, em coordenação com a Capitania da Nazaré. “A segurança é posta sempre em primeiro lugar. Todo o material envolvido é testado e certificado através de normas europeias, muito semelhante ao que acontece na escalada”, justifica.

Também Emerson Machado realça que “é um risco calculado”. “Não somos loucos como pode parecer à primeira vista, na realidade, tudo foi planeado ao mínimo detalhe”, “por uma equipa experiente, trabalhando em conjunto com organização e cautela”, acrescenta.

Depois é preciso respirar fundo e avançar, pé após pé, ao longo dos cerca de 25 metros que separam a Pedra do Guilhim ao penhasco do Forte. “Quando estamos a caminhar, o equilíbrio é fundamental. Estamos seguros por uma corda de segurança e um arnês, para o caso de cairmos, por exemplo, com a força das ondas, como aconteceu”, afirma.

É precisamente pela intensidade das ondas que fazer slackline na Nazaré se torna tão desejado. “É um lugar único”, explica ao REGIÃO DE LEIRIA. “As ondas fazem vibrar toda a rocha envolvente e, muitas vezes, ao embater na rocha, ressaltam contra quem está na fita, fazendo-o cair”, diz.

O momento é vivido ao máximo e difícil de explicar a quem está de fora, admite o coletivo, que pretende continuar a praticar o desporto na Nazaré e está disponível a envolver outros Bond das cordas nas atividades.

(Artigo publicado na edição de 15 de fevereiro de 2018)

Marina Guerra
Jornalista
marina.guerra@regiaodeleiria.pt

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Siga-nos

Primeira Página

Publicidade

Publicidade

Pergunta da semana

A carregar

Defende a criação de Tribunais para julgar casos de violência doméstica?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Região de Leiria no Facebook

Subscrição de newsletter

Share This