Select Page

Sindicato e administração da Rodoviária discordam na taxa de adesão à greve

Os números divergem no que toca à adesão à greve dos trabalhadores da Rodoviária do Tejo, do Oeste e do Lis. Enquanto o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP) estima que a adesão rondou esta quinta-feira cerca de 90%, a administração do grupo Barraqueiro situa a adesão em 34,6 % entre o total dos trabalhadores ao serviço.

Durante a manhã, cerca de uma centena de funcionários protestou junto à sede do Grupo Barraqueiro, em Lisboa, para exigir o aumento do salário e a unificação das regras de trabalho nas empresas do grupo.

“Apresentámos, em tempo oportuno, uma proposta de aumento de salários à empresa, tendo em conta os valores que são praticados por esta. A empresa entendeu que não deveria negociar connosco, tem vindo a arrastar este processo, tem vindo a canalizar para a associação patronal a resolução deste problema sem apresentar propostas e os trabalhadores entendem que não podem parar. Estamos a falar de salários que rondam os 609 euros de um salário base de motorista e isto é inqualificável”, disse Manuel Castelão, do STRUP, à Lusa.

O sindicalista salientou que um motorista gasta entre 3.000 e 4.000 euros para obter licenças e ter os requisitos para trabalhar, trabalham “12 horas para ganharem oito e alguns têm um subsídio de refeição que ronda os 2,55 euros”.

Presente na concentração, o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, frisou que esta situação se mantém devido “à intransigência da empresa”.

“É uma situação insustentável. Estamos a falar de profissionais do volante que têm não só de zelar pela sua própria segurança como, acima de tudo, assegurar a segurança das pessoas que transportam. Uma profissão desta natureza, com a desregulação dos horários que lhe está associada, justifica e exige um outro tipo de retribuição que estes trabalhadores não têm”, defendeu o dirigente citado pela Lusa.

Em comunicado, a administração do grupo refere contudo estarem “atualmente em curso negociações entre a associação que representa os transportadores rodoviários de pesados de passageiros (ANTROP) e as estruturas sindicais”. Negociações que visam, entre outros, chegar a acordo “sobre a atualização salarial a aplicar no mês de março, conforme estipulado no contrato coletivo em vigor”.

A administração refere que a última proposta foi apresentada pela ANTROP no passado dia 26 de dezembro, estando agendada uma nova reunião negocial para o dia 25 de janeiro (“tempo necessário para a consulta aos trabalhadores por parte das estruturas sindicais”). Acrescenta que “as condições remuneratórias aplicadas pelas empresas são as que decorrem do contrato coletivo, sendo possível a todos os trabalhadores não abrangidos pelo mesmo, solicitar a sua adesão com efeitos imediatos”.

“Para os trabalhadores que não pretendam aderir ao Contrato Coletivo Antrop, a empresa garante uma atualização salarial a efetivar-se no momento habitual (julho), com aplicação de uma taxa de aumento superior à inflação e superior à atualização tarifária aplicada no setor dos transportes públicos rodoviários de passageiros”, adianta ainda no mesmo comunicado.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo