Select Page

Hospital de Leiria admite reprogramação de cirurgias não urgentes

Hospital de Leiria admite reprogramação de cirurgias não urgentes

O Conselho de Administração (CA) do Centro Hospitalar de Leiria (CHL) confirmou à agência Lusa que sentiu necessidade de reprogramar algumas cirurgias não urgentes, de modo a “canalizar recursos” para os “doentes cirúrgicos urgentes”.

“Face aos constrangimentos que vimos sentindo, confirmamos que houve necessidade de fazer algumas alterações e restrições à programação cirúrgica dos doentes não urgentes, e apenas estes, de forma a canalizar recursos e disponibilidades para os doentes cirúrgicos urgentes, nomeadamente ao nível da equipa de Anestesiologia”, referiu o CA ontem [terça-feira] à Lusa.

O CHL respondeu, assim, à denúncia do secretário regional do Centro do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), que revelou que a programação cirúrgica prevista para março do Hospital de Santo André (HSA), em Leiria, foi reduzida em 50% por falta de recursos humanos.

“O HSA está a bater no fundo. É um problema de gestão, pois o Conselho de Administração assumiu que pode fazer mais com menos, mas não dá condições de trabalho. A programação cirúrgica para março viu os tempos reduzidos em 50% por falta de recursos humanos”, revelou José Carlos Almeida.

Segundo o secretário regional do Centro do SIM, a falta de médicos estende-se à área laranja do Serviço de Urgências.

Esta zona “tem uma capacidade para 14 doentes” e no dia da visita do SIM, na semana passada, “estavam 46 e ainda era de manhã”, denunciou, reforçando que “não há médicos diferenciados”.

“Uma colega confessou-nos que estava ela e um médico do ano comum na área laranja. Todos os médicos mais diferenciados não conseguiram sair da emergência [intra-hospitalar]. Antes, o hospital tinha uma equipa de emergência, agora não. Estes médicos fazem dois a três turnos por semana e ainda asseguram a unidade hemodinâmica”, acrescentou.

José Carlos Almeida afirmou ainda que os médicos “continuam a entregar as cartas de escusa”, porque “seria uma irresponsabilidade assumirem que estão a trabalhar em condições de segurança para os utentes”.

Para o secretário regional do Centro do SIM, o argumento de falsas urgências “não pode ser usado, porque existe em todo o país”.

“Se pegarmos nos hospitais de Loures ou de Vila Franca, de gestão privada, têm uma área de influência idêntica à de Leiria, ou até menor, e têm um número superior de médicos com capacidade de decisão no serviço de urgência, o que faz toda a diferença. É preciso ter mais elementos e mais diferenciados”, insistiu.

“Não cabe ao sindicato decidir pela demissão ou não do CA, terá de ser a tutela a definir o que fazer do hospital de Leiria. Não se pode jurar amor eterno ao Serviço Nacional de Saúde [SNS] e dar facadas nas costas. O SNS está perante uma crise que nunca foi tão grave como agora. Nunca os médicos e todos os profissionais de saúde estiveram tão cansados como agora”, sublinhou.

Na semana passada, a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) revelou que todos os chefes de equipa da Urgência de Medicina Interna do Hospital de Santo André se demitiram em janeiro.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, disse que o Serviço de Urgência do hospital de Leiria atingiu o “limite” e que “só não encerra por todo o esforço dos médicos que lá trabalham”, mesmo “sem serem reconhecidos pelo Conselho de Administração do CHL”.

“Todos os chefes de equipa de Urgência de Medicina Interna apresentaram já a demissão, no dia 25 de janeiro, alegando a inexistência de condições essenciais ao desempenho das funções”, referiu, explicando que os médicos “não têm tempo para a chefia do serviço, nem recursos para cumprir a escala de urgência”.

Desde o início do ano, a Ordem dos Médicos já recebeu 159 declarações de responsabilidade: “Recebemos mais cartas de declarações de responsabilidade do que de todos os hospitais do Centro juntos, o que mostra uma grande preocupação com o que está a acontecer em Leiria, sobretudo na Urgência de Medicina Interna”, salientou Carlos Cortes.

Carlos Cortes já deu conhecimento ao Ministério da Saúde, pedindo a “intervenção” da ministra Marta Temido para “ajudar a solucionar este problema”.

Entretanto, o PSD vai pedir a presença da ministra da Saúde, com caráter de urgência, no parlamento, para dar explicações sobre a “situação caótica” no Hospital de Santo André.

Lusa

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Publicidade

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda com a criação do Museu Salazar?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo

Share This