Select Page

MIA. Atouguia da Baleia é capital da música improvisada

Quase cem músicos de 20 países instalam-se esta semana em Atouguia da Baleia. À décima edição, os Encontros de Música Improvisada de Atouguia da Baleia (MIA) confirmam a importância – até internacional – da pequena vila do concelho de Peniche no cenário dessa prática tão especial que é improvisar música. Músico e professor de música, Paulo Chagas, fundador e diretor artístico do festival, conta ao REGIÃO DE LEIRIA a história dos encontros.

Atouguia da Baleia é ponto de encontro de improvisadores nacionais e internacionais há dez edições  Foto: MIA

Manuel Leiria
Jornalista
manuel.leiria@regiaodeleiria.pt

Como surgiram os Encontros de Música Improvisada em Atouguia da Baleia?
Começámos em 2010, e desde aí até agora, todos os anos têm ocorrido, sempre a crescer. Surgiram quase sem querer: tinhamos pensado fazer um concerto de música improvisada, de um grupo do qual e o Fernando Simões fazemos parte. A ideia era fazer um concerto aqui na região, porque o grupo já tinha tocado numa série de sítios e nunca tinhamos tocado aqui. Convidámos alguns músicos para nos acompanharem, mas entretanto fomos vendo que havia várias pessoas que gostávamos de convidar. Como o número de convidados era bastante grande, fazia sentido ter vários concertos ao longo do fim de semana, em vez de apenas um. Nasceu assim a ideia do festival, com pequenos grupos e grupos maiores. Foi bastante interessante, as pessoas gostaram e ficámos logo a sentir uma certa responsabilidade de dar contiuidade a um projeto que se tinha mostrado de sucesso.   No ano a seguir fizemos novamente, já com muito mais gente.

E começaram logo a surgir convidados estrangeiros?
Sim, muitos que vêm de fora. Logo a partir do segundo ano houve propostas de grupos estrangeiros a querer participar. Do primeiro para o segundo ano, as coisas propagaram-se pelo “passa palavra”. Fizemos uma boa divulgação na internet e nas revistas da especialidade, a nível internacional. Isto acaba por ser uma “bola de neve”. De uns anos para os outros, o conhecimento é maior, o grupo de pessoas que toma conhecimento disto vai aumentando. Vêm músicos de renome, o que atrai outros músicos menos conhecidos, que querem partilhar com os mais conceituados.

Qual é a importância do MIA?
Cá em Portugal ninguém ignora a existência do MIA. A cena da improvisação já é bastante considerável por cá, sobretudo na região de Lisboa, mas também há uma cena boa no Porto e em Coimbra e vão começando a aparecer no Algarve espaços onde se faz música improvisada. Poderia dizer, sem falsa modéstia, que o MIA tem um bocado de responsabilidade no crescimento do fenómeno da música improvisada nos últimos anos em Portugal. Há duas décadas tinha pouquíssima expressão. A partir do MIA, as coisas têm vindo a crescer, porque temos também a preocupação de fazer formação, com workshops e conferências. Em termos internacionais o impacto é forte. Julgo que não há outro encontro com tantos músicos e a acontecer tantos dias seguidos e com um historial como nós temos, mesmo lá fora. Nem todos têm este tipo de formato e abertura. Este é um evento de natureza livre, todos os concertos são de entrada livre, não cobramos entrada a ninguém e isso não acontece muitas vezes lá fora.

E porquê em Atouguia da Baleia?
Em 2010 o espaço que nos pareceu mais apropriado foi o auditório da Sociedade Filarmónica da Atouguia da Baleia, que é pequeno, tem 100 lugares, mas é um espaço acolhedor e simpático. Aquele espaço já tem tradição! De então para cá, nem em Atouguia nem em Peniche surgiu um auditório que seja alternativa… 

Como reage a população local ao festival?
Há muita curiosidade. Não podemos dizer que a maioria das pessoas morra de amores por este tipo de música, nem na Atouguia da Baleia nem em lado nenhum. Mesmo a música pop e rock, se for um bocadinho mais enviesada, a maioria das pessoas já “torce” um pouco o “nariz”. Tem a ver com a cultura musical do nosso país, que não é muito forte. A educação em Portugal foi o que foi e só mais recentemente é que foi um pouco mais alargada e democratizada. Estamos a fazer um caminho lento… No início as pessoas compareceram bastante, mas repararam que não é o género de música que mais lhes agrada. Algumas foram ficando e há um conjunto considerável de pessoas a nível local, aqui da zona, que mesmo que não apreciem muito o resultado, acabam por ter curiosidade e gosto em participar e ir aprendendo a gostar. Não é uma multidão, mas há várias pessoas.  

Como refere, esta não é uma música fácil…
Quem ouve esta música acha logo que é esquisita. Temos aquela formatação que a música tem de ter uma melodia e um ritmo muito certinhos. E se estivermos a fazer coisas diferentes com os instrumentos, que saia da “normalidade”, há quem diga que nem sequer é música. É como ter uma pessoa a olhar para uma pintura abstrata e dizer que até o neto era capaz de fazer aquilo, ou ler uma poesia surrealista: parece que quem escreveu aquilo estava com os copos [risos].

O que é esta música improvisada?
A improvisação implica sobretudo uma coisa muito importante – que é também importante do ponto de vista social: é um processo acima de tudo de escuta. Escutar e comunicar com o outro. Não podemos fazer música improvisada com uma postura egoísta ou autista, mostrando as nossas habilidades e o que somos capazes de fazer. Isso assim não resulta. Para tocarmos uns com os outros, temos de aprender a ouvir o que os outros estão a fazer para nos podermos integrar naquele mundo sonoro que estamos a construir em conjunto. É uma arte de criatividade espontânea mas em comunidade.

O Paulo também é músico. Quando começou a improvisar?
Sou músico desde criança, aprendi música desde os 7 ou 8 anos de idade. Ouvi muita coisa e tinha a sorte de ter amigos que me iam dando a ouvir coisas. Tive curiosidade em ouvir músicas mais estranhas, menos óbvias, e como tocava instrumentos, senti vontade de fazer as minhas improvisações desde cedo. Ganhei este “vício” desde os meus 13, 14 anos. 

Qual a expetativa para esta edição do MIA?
Em número de participantes e número de dias é a maior edição de sempre. Vai ser uma semana inteira. A minha expetativa é bastante alta. O cartaz é forte: conseguimos a participação de músicos de grande renome, como o Axel Dörner, Biliana Voutchkova, Yedo Gibson, e também portugueses, como o Carlos Zíngaro ou Sei Miguel, gente que é garantia de sucesso.

E o futuro?
Em termos logísticos é difícil crescer muito mais, a não ser que arranjássemos um espaço diferente. Mas isto não é música para multidões e ter muita gente descaracteriza um bocado a coisa. Mas temos ambições de crescimento, pelo menos em termos de condições de trabalho para os músicos, para que possamos oferecer condições mais dignas. O nosso orçamento é limitadíssimo, não temos apoio da DGArtes nem da Câmara a nível financeiro, apenas de algumas empresas e da Junta de Freguesia. A maioria dos músicos vem a expensas próprias. É uma prova de paixão, generosidade e gosto pela partilha.

A edição de 2019 dos Encontros de Música Improvisada da Atouguia da Baleia conta com 93 músicos, portugueses e estrangeiros, que viajam de 20 países. Esta décima edição é a maior de sempre: arranca a 27 de maio e terminha dia 2 de junho. Ao longo dos dias há muitos concertos, workshops, conferências, música para bebés, instalações, entre outras propostas. A maior parte acontece no Auditório da Sociedade Filarmónica de Atouguia da Baleia, mas há atividades noutros espaços da vila, sempre com entrada gratuita. Programação completa em mia-festival.blogspot.com

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo