Gonçalo Lopes é o novo presidente da Câmara de Leiria. Com a suspensão do mandato por Raul Castro, que é candidato à Assembleia da República pelo círculo de Leiria, pelo Partido Socialista – o até agora vice-presidente assume o comando do município.

A alteração tem efeitos desde segunda-feira e hoje, quinta-feira, Gonçalo Lopes conduziu a reunião extraordinária do executivo já no papel de presidente.

A equipa passa também a ter um novo rosto, Catarina Louro, que era número 9 na lista socialista que concorreu em 2017 à autarquia. A nova vereadora ficará com os pelouros da Cidadania e Economia e com os Cemitérios, anteriormente na alçada de Ana Esperança.

Anabela Graça vai acumular a pasta da Educação com a da Cultura e sobe a vice-presidente da Câmara de Leiria.

O vereador do Desporto, Carlos Palheira, irá ficar também responsável pelas obras municipais de manutenção de espaços e equipamentos públicos, enquanto Ricardo Santos irá gerir o pelouro das grandes obras municipais. Ana Valentim e Rita Coutinho não têm alterações nas áreas que têm trabalhado.

Com o desempenho do novo cargo, Gonçalo Lopes “perde” a Cultura mas assumirá todas as funções desempenhadas pelo líder máximo do executivo – Finanças e Serviços Municipais; Cooperação Externa; Proteção Civil; Auditoria; Fundos estruturais; Modernização Administrativa; Património Municipal – e os grandes projetos económicos do concelho, com especial enfoque no Topo Norte, no Mercado Municipal e na Zona Industrial de Monte Redondo. Será ainda criado um gabinete de freguesias que pretende estreitar a ligação às autarquias locais no que respeita à gestão, apoios e obras para criar “maior proximidade”.

Raul Castro saiu da autarquia na segunda-feira e agradeceu aos funcionários da autarquia o “trabalho, empenho e competência” com que cumpriram “o seu dever de servir a causa pública e a autarquia de Leiria” nos últimos 10 anos enquanto dirigiu a Câmara.

Assume que “foi difícil” aceitar o convite para assumir a lista do PS por Leiria mas entende que a obra feita desde que foi eleito pela primeira vez, “ter concluído ou estarem lançadas as obras e projetos” com que se comprometeu e “a possibilidade de, como deputado, poder ser mais útil a Leiria do que nos últimos dois anos do mandato de autarca” foram preponderantes.

Os vereadores do PSD questionaram Gonçalo Lopes quanto à condição em que Raul Castro sai do executivo, se com suspensão ou renuncia de mandato. O autarca esclareceu que “o que houve foi um pedido de suspensão e não de renúncia”, ato que deverá fazer “em devido tempo”, para tomar o lugar como deputado na Assembleia da República, após as eleições de 6 de outubro.

Marina Guerra
Jornalista
marina.guerra@regiaodeleiria.pt

Joaquim Dâmaso
Fotojornalista
joaquim.damaso@regiaodeleiria.pt