Select Page

Greve de funcionários fechou escola D. Dinis, em Leiria

A EB 2,3 D. Dinis, em Leiria, encerrou esta quinta-feira devido à greve dos funcionários, convocada pelo S.TO.P. – Sindicato de Todos os Professores, e a que  aderiu a maioria dos atuais 12 assistentes operacionais do estabelecimento.

Os trabalhadores reclamam a contratação de mais assistentes operacionais e técnicos de modo a garantir a necessária vigilância dos alunos, a segurança do espaço escolar, a qualidade dos serviços e o apoio aos professores.

Segundo Helena Vitorino, que trabalha na D. Dinis há quase 19 anos, seriam necessários “pelo menos mais dois funcionários” e uma “boa gestão e distribuição” dos recursos para poderem satisfazer todos os sectores.

Funcionários reclamam a  contratação urgente de mais profissionais e a remoção das estruturas de fibrocimentos, entre outras reivindicações 

“Chegou a haver escolas com três funcionários por bloco e alguns sem fazerem nada”, mas estes tempos já lá vão, frisou, considerando que a situação “regrediu, e muito, em matéria de número de funcionários”.

“O senhor ministro pensa que faz omeletes sem ovos e que a Educação não é fundamental. Transformaram a Educação num negócio mas na Educação não se fazem tachos nem panelas, na Educação trabalha-se a parte pedagógica”, alertou esta manhã ao REGIÃO DE LEIRIA à entrada da D. Dinis.

Esta é a terceira paralisação registada em apenas dez dias em escolas do concelho.

A primeira, convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, encerrou cinco escolas do agrupamento Dr. Correia Mateus no passado dia 12, e a segunda a EB 2,3 José Saraiva, na passada segunda-feira, por iniciativa do S.TO.P.

Segundo Célia Catulo, representante do sindicato em Leiria, a greve foi decretada para duas semanas, entre 11 e 22 de novembro, para que os trabalhadores de cada escola “pudessem organizar-se e escolher democraticamente os dias em que querem parar”.

“Ainda não temos dois anos de existência e todos os dirigentes do sindicato trabalham nas escolas, daí nós sabermos muito bem qual é a realidade e quais são os problemas dos professores e dos funcionários”, realçou, explicando que o sindicato, que representava inicialmente apenas professores, alterou os seus estatutos no ano passado para englobar todos os profissionais das escolas. “Para nós não fazia sentido estarmos a trabalhar só com professores e outros sindicatos só com funcionários quando os problemas são comuns”, acrescentou.

 

Em estado de exaustão

Sublinhando o estado de exaustão em que todos se encontram, a Célia Catulo lembrou que os docentes continuam “a trabalhar em componente não letiva” e nas horas em que “devíamos preparar aulas e fazer materiais, estamos a dar apoios a grupos tão grandes de alunos que quase são uma turma”. “Acaba por não ser apoio”, frisou, destacando outro problema: o do fibrocimento e do amianto nas escolas, com que se debate também a D. Dinis e que considera “uma razão muito forte para fechar escolas e exigir uma intervenção com vista à sua remoção”.

Célia Catulo, dirigente sindical, e Helena Vitorino, funcionária da escola, estiveram esta manhã à porta da escola 

Jorge Camponês, diretor do Agrupamento de Escolas D. Dinis, que esta manhã esteve ao portão da escola para fazer o encaminhamento dos alunos que não tinham autorização para sair sem os pais chegarem, não quis prestar declarações.

Em outubro, contudo, disse ao REGIÃO DE LEIRIA que estava a aguardar desde julho a atribuição de horas para contratar cinco tarefeiras e permitir, entre outros serviços, prestar apoio permanente a cinco crianças de educação inclusiva que frequentam o pré-escolar e o 1º ciclo no agrupamento.

“Estamos mesmo no limite e temos dado conta disso ao Ministério”, referiu nessa altura.

Martine Rainho
Jornalista
martine.rainho@regiaodeleiria.pt

Joaquim Dâmaso
Fotojornalista
joaquim.damaso@regiaodeleiria.pt

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Primeira Página

Pergunta da Semana

A carregar

Concorda que a Agência Mundial Antidopagem tenha proibido a Rússia, durante quatro anos, de participar em todas as competições desportivas globais?

Obrigado pelo seu voto!
Já votou nesta pergunta!
Selecione uma das opções!

Publicidade

Newsletter Região de Leiria

app repórter no mundo