Sete dos cinco estabelecimentos de ensino do agrupamento Dr. Correia Mateus, em Leiria, incluindo a escola sede, estão encerrados até ao meio-dia desta terça-feira, devido à greve do pessoal não docente, que reivindica mais trabalhadores.

“Há uma gravosa falta de pessoal, que coloca em causa não só a segurança das crianças e de toda a comunidade escolar, como as condições de trabalho dos assistentes operacionais, o que tem levado a um absentismo recorrente”, disse à Lusa o responsável pelo sector da Educação do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Centro, Carlos Fontes.

Na escola, sede do Agrupamento Dr. Correia Mateus, estão colocados “10 funcionários para 630 alunos”.

“Nesta escola há uma sala multideficiência com sete alunos com necessidades educativas especiais, dos quais quatro estão em cadeira de rodas, um desloca-se em andarilho e outro precisa de ser permanentemente acompanhado devido a convulsões, e só existe um trabalhador”, revelou Carlos Fontes.

Para o dirigente, esta situação, que “se estende a todo o país”, é “insustentável”.

“O Ministério da Educação não investe nas escolas. São precisos mais 6.000 funcionários em todo o país para suprir as necessidades”, sublinhou Carlos Fontes.

O dirigente salientou ainda que a tutela está a entregar as escolas aos municípios, no âmbito do processo de descentralização de competências, pelo que “não pretende investir, passando a responsabilidade para as Câmaras, o que não vai resultar”.

“Quem paga são os trabalhadores e as crianças, pois a situação tem-se vindo a agravar e todos os inícios de ano letivo o sindicato alerta para a situação”, rematou o responsável, lembrando que decorrerá uma greve nacional do pessoal não docente em todas as escolas no próximo dia 29.