As margens da Ribeira dos Milagres, em Leiria, vão ser alvo de uma intervenção de conservação e manutenção que vai custar 190 mil euros e que servirá para encontrar “pontos negros” de poluição, anunciou o presidente da câmara.

A assinatura do protocolo com a Agência Portuguesa do Ambiente, que permitirá a obra, aconteceu hoje, 18 de dezembro, e, na ocasião, Gonçalo Lopes disse acreditar que, desta forma, será possível “encontrar algumas das fontes da poluição e alguns ‘pontos negros'” daquela que é “conhecida como uma das ribeiras mais poluídas do país” e que contribui para diversos problemas da bacia hidrográfica do Lis.

“É uma intervenção muito importante para o nosso futuro”, disse o autarca, considerando o custo da obra, totalmente suportado pelo município, “uma despesa vital para perceber algumas das origens dos problemas da Ribeira dos Milagres, porque muitos problemas estão ocultos”.

Gonçalo Lopes considera que o Lis tem de ser um “grande desígnio” da comunidade e do poder poliítico, mas reconhece que a sua bacia tem “vários problemas”, um deles relacionado com “a atividade das pecuárias”.

A Ribeira dos Milagres é, sublinhou, “a face mais visível da poluição provocada por esta atividade económica”, o que tem “uma explicação histórica” relacionada com a evolução do setor.