Assinar Edições Digitais
Covid-19

Covid-19: Portugal ultrapassa a barreira dos cinco mil infetados

Há mais 902 casos de pessoas infetadas, comparativamente a sexta-feira.

Os casos positivos registados em Portugal voltam a crescer, com a divulgadção de mais um relatório da Direção-geral de Saúde (DGS). Há mais 902 pessoas infetadas com covid-19 em território nacional, num total de 5.170 casos confirmados.

Ontem, sexta-feira, registou-se um aumento de 724 casos face a quinta-feira, valor que foi superado, num momento em que Portugal já se encontra em fase de mitigação, a terceira e mais grave da epidemia do novo coronavírus.

É no Norte do país que se concentram a maioria dos casos, 3.035 pessoas infetadas. Lisboa e Vale do Tejo apresenta 1.287 casos positivos, e a zona Centro contabiliza 647 casos. A região do Algarve ultrapassou a barreira da centena de casos (106). Já Alentejo (34), Madeira (31) e Açores (30) têm cerca de três dezenas de resultados positivos de Covid-19 cada.

O número de doentes recuperados mantém-se nos 43 e há 22.646 casos que tiveram resultado negativo. Em vigilância pelas autoridades de saúde permanecem 19.927 pessoas.

O número de óbitos também voltou a aumentar, de 76 para 100 casos, com a zona Norte do país a ser aquela onde se registam mais casos (44), seguida da região Centro (28), Lisboa e Vale do Tejo (27), e Algarve, com apenas um óbito.

Quanto aos grupos etários, há 1.003 pessoas infetadas com mais de 70 anos, 493 das quais com mais de 80 anos.

Entre os mais novos, contam-se 56 crianças com menos de dez anos e 123 jovens entre os dez e os 19 anos.

Continua a ser entre a população com idades entre os 40 e os 49 anos que se registam mais casos positivos de infeção (1.002), revelam os dados da DGS apurados até às 24 horas de ontem.

O balanço indica ainda um total de 330 casos importados, com destaque de Espanha (105), França(72), Reino Unido (27), Itália (21) Suíça (22) e Andorra (13).

Tosse (49%), febre (41%), dores musculares (28%), cefaleias (23%), fraqueza generalizada (19%) e dificuldade respiratória (15%) são os sintomas mais reportados, sendo que estes dados são apenas relativos a 83% dos caso confirmados, indica a DGS.