Assinar Edições Digitais
Covid-19

Governo anuncia encerramento de todas as escolas a partir de segunda-feira

A medida que prevê a suspensão das atividades letivas presenciais vai ser reavaliada a 9 de abril, anunciou esta noite o primeiro-ministro ao país.

O chefe de Governo apelou ao cumprimento das regras de higiene e limitação da circulação

António Costa anunciou esta noite a suspensão temporária das atividades letivas presenciais em todas as escolas. A medida surge um dia depois da Organização Mundial da Saúde ter declarado a Covid-19 como pandemia.

Numa declaração ao país, o primeiro-ministro acrescentou que a medida, que abrange todos os níveis de ensino, será reavaliada a 9 de abril (dentro de quatro semanas, no final das férias da Páscoa) para decidir o que fazer relativamente ao terceiro período.

O líder do Governo anunciou ainda a redução em um terço da lotação máxima dos restaurantes, a limitação do número de pessoas em centros comerciais e serviços públicos bem como o encerramento de discotecas e estabelecimentos similares. Passa a ser ainda proibido o desembarque de passageiros em cruzeiros.

“Nós vamos determinar o encerramento das discotecas e estabelecimentos similares, reduzir em um terço a lotação máxima de cada estabelecimento de restauração de forma a aumentar o espaçamento entre os diferentes clientes, vamos determinar a limitação da frequência de centros comerciais ou de serviço públicos de forma a que a sua frequência se adeque ao espaço de cada um sem que haja um excesso de pessoas simultaneamente dentro do mesmo espaço”, elencou.

De acordo com o primeiro-ministro, o Governo vai também “determinar a proibição de desembarque dos passageiros de navios de cruzeiro, que poderão continuar a aportar para efeitos de reabastecimento, com a exceção dos residentes em Portugal”.

A limitação de visitas a lares de idosos, já implementada na região Norte do país, será também alargada a todo o país.

“Senti por parte de todos os partidos, sem exceção, o empenho de partilharmos em conjunto esta batalha que é de todos. Não há o partido do vírus e do antivírus. Esta é uma luta pela nossa própria sobrevivência”

António Costa

“Esta é uma luta pela nossa própria sobrevivência, pela proteção da saúde dos portugueses e estamos todos juntos nesta luta”, dramatizou António Costa, numa declaração na residência oficial, em Lisboa, depois de uma ronda de reuniões com todos os partidos com assento parlamentar sobre as medidas que o Governo vai adotar no combate ao Covid-19.

Para o primeiro-ministro, é preciso “assumir e partir do princípio que esta pandemia no continente europeu, e, designadamente em Portugal, ainda não atingiu o seu pico”.

“Pelo contrário, está em fase de evolução de modo que é muito provável que nas próximas semanas mais doentes venham a ser contaminados, porventura com mais graves consequências para a sua saúde e para a sua própria vida e que este possa ser um surto mais duradouro do que se possa ter estimado inicialmente”, admitiu.

Por isso, António Costa reiterou que se deve “desejar o melhor”, mas todos têm que “estar preparados para o pior”.

“Aquela que é a maior responsabilidade de cada um de nós é cuidar do outro”, apelou, insistindo na necessidade de respeitar as regras de higiene e limitar “ao máximo o nível de circulação e contacto social”.

António Costa explicou que para estas decisões pesou o parecer “inequívoco” do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças que recomendou a todos os estados-membros da União Europeia o fecho de todos os estabelecimentos de ensino de modo a evitar a propagação da Covid-19.

Com Lusa