Uma empresa de Leiria, uma outra de Aveiro, um clube rotário e a Ordem dos Médicos uniram esforços para assegurar mais de uma centena de telemóveis a profissionais de saúde da região Centro. Objetivo? Melhorar a comunicação com os utentes no combate à pandemia.

A medida foi anunciada esta tarde pela secção regional do Centro da Ordem dos Médicos. Em colaboração com duas empresas, uma delas de Leiria, e com o clube de rotários da Figueira da Foz, aquela ordem profissional garantiu o apetrechamento, com equipamentos de comunicação, de 18 centros de saúde.

A Construções J.J.R. & Filhos, S.A, empresa de Leiria e a Diatosta – Indústria Alimentar, S.A., de Aveiro, são as empresas que se juntaram neste esforço.

No total, são 135 telemóveis e 150 cartões de dados, que se encontram disponíveis desde esta segunda-feira. “Serão uma ajuda fundamental prioritária na comunicação entre os utentes e os seus médicos, enfermeiros de família e restantes profissionais envolvidos na resposta aos doentes em vigilância e autocuidados”, refere a secção do Centro da Ordem dos Médicos.

“Para continuar a suprir as necessidades de cartões e equipamentos nas instituições de cuidados de saúde primários, para já a oferta contempla 18 centros de saúde que tinham pedido apoio”, aponta Inês Rosendo, a coordenadora do Gabinete de Formação Médica da Ordem dos Médicos na região Centro.

As 18 unidades para já abrangidas, referem-se a 14 unidades de saúde familiar, três unidades de cuidados de saúde personalizados e uma área dedicada Covid-19, refere aquela responsável.

“São equipamentos fundamentais nesta fase”, acrescenta Inês Rosendo, que adianta que se procurará dar resposta a futuros pedidos desta natureza.

“Graças a esta generosidade de toda a sociedade, a Ordem dos Médicos congratula-se pela melhoria do seguimento diário dos utentes que estão em casa”, reforça Carlos Cortes, presidente a secção do Centro da Ordem dos Médicos.

Esta ação “prende-se com a necessidade urgente de equipamentos para linhas telefónicas diretas para cumprir a norma da DGS [Direção Geral d Saúde] que define a triagem de utentes com queixas agudas bem como o acompanhamento diário aos utentes quem estiverem em regime Covid-casa”, explica o comunicado da secção do Centro da Ordem dos Médicos.