A câmara de Óbidos vai subsidiar as obras de conservação e restauro do retábulo no interior da Igreja do Espírito Santo, na Sancheira Grande, freguesia de A-dos-Negros, que retrata uma cena de Pentecostes.

O apoio de 2.700 euros foi aprovado na última reunião do executivo, na sexta-feira, dia 17, para dar resposta às necessidades de restauro da obra identificadas pelos responsáveis pela paróquia de A-dos-Negros e técnicos daquela autarquia.

Desde o início do ano foram consultados especialistas externos que, segundo a câmara, “diagnosticaram patologias e apresentaram orçamentos” para a salvaguarda da obra.

Reconhecendo a “a importância que este retábulo tem para a população da Sancheira” o presidente da câmara, Humberto Marques (PSD), citado numa nota de imprensa adiantou que o restauro vai “avançar”, no âmbito da “política de salvaguarda do património que Óbidos tem tido ao longo dos últimos anos”.

Nomeadamente com “a recuperação do Santuário do Senhor da Pedra, ou do conjunto urbano de Óbidos, onde se incluem as muralhas, a Porta da Vila, o pórtico da Igreja de Santa Maria, entre muitas outras intervenções”, exemplifica.

De acordo com os registos de inventário da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), na segunda metade do século XVIII verificou-se a reconstrução da Igreja do Espírito Santo, na Sancheira Grande, com a colocação dos azulejos e a execução da tela “Pentecostes”, atribuída a Pedro Alexandrino.

As semelhanças entre a azulejaria presente no Santuário do Senhor da Pedra, em Óbidos, e naquele templo, indiciam a possibilidade de terem sido executadas pelo mesmo autor, lançando também a possibilidade de a tela ter sido executada pelo pintor André Gonçalves, responsável pela execução do retábulo principal do Santuário do Senhor Jesus da Pedra.

Na sua página, a DGPC salienta não só a importância que a capela tem para a comunidade local da Sancheira Grande, mas também a sua relevância histórico-artística no património do concelho.

No comunicado, a autarquia acrescenta que a comunidade religiosa local e a Junta de Freguesia têm, nos últimos anos, envidado esforços para a reabilitação da capela, seja no seu exterior, seja no seu interior.

No entanto, “as intervenções de caráter patrimonial sobre as obras presentes na capela, requerem uma maior qualificação técnica e uma intervenção de conservação e restauro responsável e adequada”, a qual vai deverá ser iniciada em breve.