O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai visitar hoje em Monte Redondo, no concelho de Leiria, os familiares do bombeiro Filipe Pedrosa, de 34 anos, que morreu no sábado.

Marcelo Rebelo de Sousa, que se encontrou hoje com o rei de Espanha, Felipe VI, em Madrid, “desloca-se esta tarde a Monte Redondo, em Leiria, para dirigir, pessoalmente, aos familiares do bombeiro Filipe André Pedrosa os mais sentidos pêsames pela sua inesperada partida”, lê-se numa nota divulgada no portal da Presidência da República na Internet.

Segundo a mesma nota, esta é “uma demonstração de solidariedade também extensiva aos Bombeiros Voluntários de Leiria, particularmente à 5.ª Companhia de Monte Redondo, a quem o Presidente da República agradece, num momento tão difícil, o sempre presente espírito de equipa, de abnegação e de prontidão dos bombeiros portugueses”.

O bombeiro Filipe Pedrosa morreu no sábado no hospital da cidade após ter entrado em paragem cardiorrespiratória quando participava nas operações de rescaldo de um incêndio na freguesia de Arrabal, no concelho de Leiria, informou o comandante Pedro Araújo, da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

No domingo, o Presidente da República divulgou uma nota a lamentar a morte do bombeiro de Leiria, referindo que tinha mantido “permanente contacto com o terreno, acompanhando as operações e o estado de saúde dos bombeiros que foram feridos”.

“Infelizmente, a notícia da morte do bombeiro do corpo de voluntários de Leiria, vítima de doença súbita enquanto cumpria a sua missão em operações de rescaldo e vigilância, causou profunda consternação, evidenciando as grandes exigências por que passam todos estes homens e mulheres que arriscam diariamente as suas vidas pela vida do próximo”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

Nessa nota, o Presidente da República comunicava que já tinha falado pessoalmente com a família do bombeiro Filipe Pedrosa e dirigia “os mais sentidos pêsames” aos seus familiares e amigos e à Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Leiria.

Também o primeiro-ministro, António Costa, manifestou na madrugada de sábado “profunda consternação” com esta morte, transmitindo condolências à família e à corporação, em nome do Governo.