Rafael Sousa, Hugo Dionísio, Filipe Pereira e Ricardo Cardoso são o rosto de uma das mais recentes bandas de rock jovem de Leiria. Lançado o primeiro single – “Golden water” – a 14 de agosto, os Model Mother Tongue (MMT) preparam-se para atuar, este sábado, dia 5, na Festa do Avante. Mas antes lançam hoje o single “Bad habits“, com b-side (música adicional).

Vencedor do Concurso Novos Valores JCP – o que garantiu a presença no festival -, apesar da controvérsia atual face à realização do evento organizado pelo PCP, o grupo defende “a importância de manter alguns eventos culturais para ajudar os artistas, equipas de som e e produção e roadies que dependem deles”, acreditando que “as pessoas se vão divertir, apesar dos condicionamentos impostos pela Direção-Geral da Saúde”.

Assumindo-se como uma banda “cheia de energia e individual”, MMT apresenta músicas originais em inglês, divergindo do projeto de covers Pull the Trigger que os músicos integraram quando começaram a tocar juntos. Foi em 2011 e o então trio formado por Rafael Sousa, Filipe Pereira e Ricardo Cardoso inspirava-se em Guns N’ Roses e Nirvana.

A banda evoluiu e oficializou-se como MMT em 2016, com a entrada de Hugo Dionísio (baixista) e novas influências, nomeadamente Arctic Monkeys, “uma grande inspiração a nível de letras e de ritmos”, refere Filipe Pereira, guitarrista ritmo.

MMT junta-se ao panorama musical de Leiria com “singularidade e independência”, afirmando que “os artistas leirienses estão a seguir o rock progressivo, influenciados pelo que a [editora] Omnichord Records traz”.

Mas “faz falta um rejuvenescer de bandas de rock. Leiria e o país precisam de mais criatividade”, contam ao REGIÃO DE LEIRIA. E se é permitido sonhar, gostavam de chegar a festivais como o NOS Alive, Paredes de Coura ou viajar até aos internacionais Rock am Ring, Glastonbury e Reading
festival.