Assinar


Alcobaça

Porcelanas de Alcobaça em crise paga subsídio de Natal a prestações

Pago de imediato 25% do subsídio e os restantes 75% em mais três prestações.

Uma das propostas do catálogo da SPAL para o Natal

A Sociedade de Porcelanas de Alcobaça (SPAL), na Nazaré, está a pagar a prestações o subsídio de Natal aos trabalhadores, tendo liquidado 25% do total, denunciou esta quarta-feira, dia 23, o PCP local, tendo a empresa confirmado, alegando dificuldades económicas.

Em comunicado, as concelhias do PCP da Nazaré e de Alcobaça, no distrito de Leiria, denunciaram que a administração da empresa está a “parcelar o pagamento do subsídio e Natal, como já tinha feito com o subsídio de férias”, apesar das “enormes dificuldades para a maior parte das famílias em Portugal” devido à crise provocada pela pandemia de covid-19.

A empresa acordou com os trabalhadores pagar de imediato 25% do subsídio de Natal, deixando os restantes 75% por regularizar em mais três prestações.

A empresa confirmou que “foi efetivamente pago apenas 25% do subsídio de Natal”, justificando “dificuldades económicas que se encontram espelhadas no Processo Especial de Revitalização [PER]”, que avançou em setembro.

Ainda assim, garantiu “continuar a lutar para reverter a situação e garantir a sua viabilização com o apoio dos credores”.

Por ter recorrido ao ‘layoff’ criado pelo Governo no contexto pandémico, os comunistas alertaram que a SPAL está a receber da Segurança Social 50% do subsídio de Natal referente aos trabalhadores abrangidos e “está a reter indevidamente 25% do subsídio que deveria ser entregue imediatamente” a esses trabalhadores.

O PCP denunciou também que a empresa ainda não pagou as indemnizações aos trabalhadores despedidos ou com os quais rescindiu por mútuo acordo no verão.

A SPAL explicou que, no âmbito do PER, o processo de despedimento coletivo terminou em outubro, tendo havido reclamação de créditos pelos trabalhadores.

Estes acionaram também o Fundo de Garantia Salarial, desconhecendo a empresa se daí já receberam algum montante.

Quanto aos valores remanescentes, a SPAL vai “liquidá-los nos termos do que vier a ser aprovado pelo PER”.

Em setembro, a SPAL avançou com um PER, para fazer face à crise empresarial que atravessa, agravada com a queda abrupta e significativa da economia mundial, causada pela pandemia covid-19, que veio “desvalorizar os negócios e rodear a empresa de grandes incertezas”.

Tendo em conta os prejuízos acumulados, sobretudo nos últimos dois anos, a SPAL tem vindo a tomar medidas de reestruturação, entre as quais o despedimento de 38 trabalhadores e rescisões por mútuo acordo com outros 30 por não ter havido a retoma significativa de encomendas.

A empresa manteve os restantes 270 postos de trabalho.

Os problemas financeiros na empresa arrastam-se há mais de 20 anos, tendo a aquisição da SPAL por outro grupo económico, em 2010, evitado o seu encerramento nesse ano.

Foram preservados os postos de trabalho e a indústria produtora de porcelana.

Nos últimos 10 anos, a SPAL, detida em 35% pelo Estado, sob gestão da PME Investimentos, começou a registar quebras “abruptas” na atividade.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.