Assinar
Cantinho dos Bichos

Saiba como proteger os seus animais de estimação dos dias mais frios

Apesar do seu pêlo se adaptar às diferentes estações do ano, os animais também sentem frio e precisam de se aquecer. Fornecer mantas e fontes de calor é essencial nos meses de inverno.

As mantas mais quentes já saíram dos armários e os aquecedores e lareiras estão em funcionamento, na máxima potência. Uma massa de ar frio trouxe, nas primeiras semanas de 2021, temperaturas abaixo dos valores médios para a altura do ano.

E se os humanos têm recorrido a todos os truques ao seu dispor para escapar ao frio, importa recordar que também os animais de companhia precisam de alternativas para se aquecerem.

Perceber se os nossos cães e gatos têm frio começa na observação da sua postura corporal. Estão mais encolhidos? Imóveis? É provável que precisem de se aquecer.

Em situações extremas podem até desenvolver tremores musculares. “Aí, se ao aquecermos o animal ele mantiver o sintoma, devemos ir ao veterinário”, alerta Inês Guerra, veterinária especializada em comportamento e medicina felina.

A solução passa por deixar ao dispor dos animais camas altas e mantas, especialmente de tecido polar, explica a especialista, natural de Leiria. Se forem colocadas junto a fontes de calor, melhor será o efeito.

Para quem já estiver a pensar em vestir os patudos, Inês Guerra sublinha que “será sempre de evitar vestir roupa aos animais”. A maioria deles têm pêlo que os ajuda a manter a temperatura corporal ao longo das estações. As exceções serão animais séniores ou sem pêlo (o caso dos gatos de raça sphynx).

No mundo do vestuário será, no entanto, de considerar a utilização de calçado para cães durante os passeios na rua, uma vez que a existência de neve ou as temperaturas negativas pode causar queimaduras nas patas.

Há ainda que ter atenção aos equipamentos utilizados para aquecer as casas. As lareiras, por exemplo, caso não tenham porta podem libertar fagulhas que atinjam os animais.

Os próprios aquecedores podem provocar queimaduras: “tenho visto alguns gatos com os bigodes queimados por estarem tão próximos dos aquecedores”, alerta Inês Guerra. “Diria que os mais seguros serão os aquecedores a óleo, mas sempre com vigilância”.

A juntar a estas dicas e cuidados a ter, nada como uns momentos de colo e mimos que aquecem patudos e tutores.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.