Assinar
Região à Mesa

Atelier do Doce convida a tomar o chá das 5 com infusões portuguesas e bolachas do mundo

Que tal umas bolachas de aveia e chocolate de yuzu do Atelier do Doce e uma infusão de aromas 100% naturais? Marcamos chá às 5? Enquanto estamos confinados, cada um fica em sua casa…

“Chá das 5” resulta de uma parceria entre empresa de Alcobaça e Infusões com História

Já imaginou fazer uma pausa para beber o “chá das cinco” com direito a uma viagem pelo oriente e pela história portuguesa? É precisamente essa a proposta do Atelier do Doce, que lhe dá a provar bolachas de aveia & chocolate de yuzu (um citrino do oriente) ou, se preferir, bolachas de aveia & manteiga de amendoim, com um chá de aromas 100% naturais, da Infusões com História. É o chamado “chá das 5”… com história do Atelier do Doce.

A ideia do “casamento perfeito” partiu de Catarina Saraiva, que gere, com o marido, a empresa instalada na freguesia de Alfeizerão que já é um fenómeno nacional.

Depois do sucesso das bolas de berlim e da box das cornucópias, o Atelier do Doce conseguiu colocar a apresentadora Bárbara Guimarães a beber o chá das 5 made in Casal do Amaro.

“Não são bolachas light nem fit, mas são feitas com ingredientes bastante saudáveis. Somos nós que fazemos a manteiga de amendoim. Usamos açúcar mascavado e não açúcar refinado. Temos manteiga em vez de margarina. Não é vegan porque tem ovos e manteiga, mas também não são maléficas para a saúde”, esclarece a empresária. “O chocolate de yuzu é um cítrico do oriente. Tem um aroma bastante agradável e dura bastante tempo”, acrescenta a alcobacense.

Cada embalagem contém uma lata das duas variedades de bolachas e uma lata de infusões portuguesas, mas o cliente também pode adquirir as embalagens das bolachas individuais.

Repartindo o negócio entre a doçaria conventual e tradicional, o cake design e os bolos de sobremesa internacionais, a empresa tem apostado na inovação, sem esquecer o tradicional e a qualidade.

Não será por isso de admirar que nas fichas de clientes constam nomes como El Corte Inglés, Sonae, Grupo Jerónimo Martins, Intermarché, Auchan, Starbucks (restritos fornecedores portugueses) e Supermercados Apolónia.

Ao consumidor final, as iguarias chegam através da loja que abriram ao público nas instalações da fábrica e, desde o início da pandemia, através da loja online.

Mais recentemente, os doces conventuais do Atelier do Doce chegaram a Luxemburgo através das lojas do Grupo Primavera.

A bola de berlim continua a ser o doce mais produzido – com o recorde diário de 45 mil unidades – logo a seguir ao pastel de nata e às cornucópias. Mas, os premiados Bolo-Rei Tradicional, o Bolo-Rei Escangalhado, o Bolo Rainha, o Folar Doce também são muito requisitados.

No palmarés constam ainda duas menções honrosas (Segredo de São Bernardo e Amor Meu) conquistadas na Mostra Internacional de Doces & Licores Conventuais de Alcobaça.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.