Assinar
Leiria

Governo defende que se deve esperar pela regeneração natural do Pinhal de Leiria

Tal como defendeu em dezembro passado, ao REGIÃO DE LEIRIA, ministro do Ambiente entende que se deve esperar por mais esta primavera. E reforça que não há garantias de que a construção da ETES resolva o problema da poluição.

O Governo defendeu que se deve esperar mais esta primavera pela regeneração natural do Pinhal de Leiria, que ardeu nos incêndios de 2017, revelando que já estão executadas rearborizações em 1.200 hectares.

“Vale mesmo a pena esperar mais esta primavera para perceber até onde é que pode ir a regeneração natural”, afirmou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Matos Fernandes, convidando quem defende a urgência em rearborizar o Pinhal de Leiria a visitar o espaço florestal, adiantando que já teve a oportunidade de o fazer e ver, em dezembro de 2020, pela última vez, “ao lado de pinheiros já com dois metros de altura, outros com 20 centímetros de altura, ou seja, que estavam agora a rebentar”.

O governante falava, esta terça-feira, no âmbito de uma audição regimental na comissão de Agricultura e Mar, em resposta ao deputado do PCP João Dias, que disse que “é um crime político insuportável o que se passa relativamente ao Pinhal de Leiria”, criticando a opção do Governo de esperar pela regeneração natural.

De acordo com o titular da pasta do Ambiente, que tutela as florestas, a intervenção inicial no Pinhal de Leiria prevê 2.500 hectares, dos quais 1.200 hectares já estão executados, “com rearborização de espaços ardidos”.

“Foram aqueles onde ou não havia madeira ou não havia praticamente árvores ou as árvores tinham menos de 20 anos, porque o banco de sementes era menor”, explicou.

Além desta área, o Governo tem intervenção prevista em “mais 2.200 hectares”, no período de 2022 a 2024.

“Queremos mesmo aproveitar ao máximo a regeneração natural”, reforçou João Matos Fernandes.

Concordando que o pinheiro demora muito tempo a crescer, o governante ressalvou que, devido à tragédia dos incêndios de 2017, “passar-se-ão muitos anos” até que se possa voltar a ter a silhueta do Pinhal de Leiria, também conhecido por Pinhal do Rei.

Questionado pelo deputado do PSD João Marques sobre a poluição da bacia hidrográfica do Lis, em Leiria, o ministro do Ambiente afirmou que os responsáveis são os suinicultores que “não têm respeito nenhum por aquilo que é o cuidar das condições ambientais que ali estão”.

“Não faz sentido construirmos uma estação que não temos a mais pálida garantia de um dia vir a ser utilizada”, avançou o governante, lembrando que existe a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Coimbrão, em Leiria, que é pouco utilizada, apesar de ter capacidade para tal, como também referiu na visita em dezembro ao Pinhal de Leiria.

“Se temos uma com capacidade para poder fazer que nada faz, fazer uma ao lado, ainda com maior capacidade, a verdade de vir a fazer alguma coisa é praticamente nula”, sustentou João Matos Fernandes.

Em janeiro deste ano, deputados do PSD apresentaram um projeto de resolução a recomendar ao Governo a construção da estação de tratamento de efluentes suinícolas (ETES) para a despoluição da bacia do rio Lis.

Os sociais-democratas defendem que o executivo deve criar “uma solução eficaz e exequível para a recolha, tratamento e valorização energética e agrícolas dos efluentes suinícolas, contribuindo para a urgente despoluição da bacia hidrográfica do Lis, através da construção da estação de tratamento de efluentes suinícolas na região do Lis”.

Foto de arquivo

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.