Assinar


Desporto

João Almeida cimenta lugar entre elite portuguesa no top 10 de grandes Voltas

Ciclista de A-dos-Francos, no concelho de Caldas da Rainha, terminou em sexto lugar a Volta a Itália.

João Almeida foi sexto na geral vinal do “Giro” de Itália Foto: Facebook João Almeida

João Almeida cimentou hoje, 30 de maio, o seu lugar na lista restrita de ciclistas portugueses que terminaram uma das grandes Voltas no ‘top 10’, destacando-se no terceiro posto ao ser sexto na geral final da Volta a Itália.

Num palmarés em que os feitos de Joaquim Agostinho permanecem inalcançáveis, já que esteve 11 vezes entre os 10 melhores, o jovem da Deceuninck-QuickStep, de 22 anos, conseguiu um sexto lugar (a centésimos de segundo do quinto) para suceder a si próprio no Giro de 2020, em que escreveu a mais bonita página do ciclismo português na ‘corsa rosa’ com o quarto lugar, depois de 15 dias como líder da geral.

Em 2020, mais do que melhorar o registo de José Azevedo, que em 2001, no papel de gregário de luxo do espanhol Abraham Olano, foi quinto – o mesmo lugar que alcançou no Tour em 2004 -, o miúdo de A-dos-Francos (Caldas da Rainha) fez Portugal sonhar com um inédito triunfo numas das grandes Voltas, uma façanha que este ano sempre pareceu estar mais distante.

Ainda assim, e depois de ter passado muitas das jornadas da 104.ª edição a trabalhar em prol do colega de equipa belga Remco Evenepoel, após um mau dia logo na primeira semana, foram demonstrações de garra e uma corajosa (e menos conhecida) postura atacante que o levaram até ao sexto lugar final, graças ao contrarrelógio de hoje, em Milão, que lhe permitiu uma subida de duas posições na geral no derradeiro suspiro da ‘corsa rosa’.

Na memória de todos ficará a tenacidade e espetacularidade das duas exibições em Itália, com as que se isolou no terceiro lugar, à frente de seis ciclistas que conseguiram um top 10, casos de nomes grandes do país, como Acácio da Silva (sétimo no Giro de 1986), Alves Barbosa (10.º no Tour de 1956) e ainda João Rebelo e Fernando Mendes, sextos classificados na Vuelta em 1945 e 1975, respetivamente, além de José Martins (oitavo na Vuelta de 1975).

A cumprir a sua segunda temporada entre a elite, e logo na melhor formação mundial, que vai deixar no final do ano, João Almeida pode ambicionar chegar a um patamar onde só está Joaquim Agostinho, o maior ciclista português de todos os tempos.

Foram 11 as presenças do corredor de Torres Vedras, que morreu em 1984 na sequência de uma queda na Volta ao Algarve, entre os 10 primeiros em grandes Voltas, com os terceiros lugares no Tour (1978 e 1979) a permanecerem como os feitos mais extraordinários do ciclismo nacional.

Embora no seu palmarés figure o estatuto de vice-campeão da Vuelta em 1974, são as prestações de Joaquim Agostinho na Volta a França, onde também foi quinto (1971 e 1980), sexto (1974) e oitavo (1969, 1972 e 1973), que perduram no imaginário coletivo.

No segundo posto da tabela está José Azevedo, que, além do quinto lugar do Giro de 2001, ainda tem dois ‘top 10’ em provas órfãs de vencedor: sexto no Tour de 2002 e quinto em 2004, também em França, em duas vitórias ‘tiradas’ ao norte-americano Lance Armstrong.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.