Assinar


Cultura

Mosteiro da Batalha recebe JP Simões, Benjamin e Dulce Pontes no festival Artes à Vila

Este ano, a programação concentra-se sobretudo nas Capelas Imperfeitas.

imagem do topo das capelas imperfeitas do mosteiro da batalha

JP Simões, Dulce Pontes e Benjamin são alguns dos nomes que constam do programa da quarta edição do festival Artes à Vila, que decorre no Mosteiro da Batalha, no distrito de Leiria, a 25 e 26 de junho.

O programa hoje divulgado pela organização inclui ainda Filipe Sambado, Moçoilas e Remexido, entre visitas guiadas e momentos de humor, num festival que acontece em espaços do monumento Património Mundial da Organização das Nações Unidas, para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

Artes à Vila assume o objetivo de “valorizar a cultura portuguesa e apoiar os artistas nacionais”, regressando em 2021 aos espetáculos presenciais, com transmissão ‘online’ em direto, após uma edição anterior realizada sem público, devido à pandemia. 

Este ano a programação concentra-se sobretudo nas Capelas Imperfeitas, salientando-se um conjunto de propostas inspiradas em cruzamentos de expressões. 

No primeiro dia, por exemplo, a música do grupo tradicional Moçoilas finaliza a visita guiada às gárgulas do mosteiro, enquanto as cantautoras Labaq, do Brasil, e Yosune, da Venezuela, mostram em dueto o resultado de uma residência artística que “celebra a diversidade multicultural”, frisa a organização. 

Ainda a 25 de junho, há concerto do trio Remexido, de Almada, do fadista Telmo Pires, de Bragança, e atuação do projeto de humor Ovo Mau.

A 26 de junho, destaque para o encontro entre os Não Simão e JP Simões, numa “colaboração improvável dedicada à música nacional e ao poema nas canções”. 

O segundo dia de Artes à Vila completa-se com espetáculos nas Capelas Imperfeitas de Benjamim, Filipe Sambado e, a encerrar, de Dulce Pontes. 

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.