Assinar


Cultura

Tragédia de Hiroxima lembrada em Leiria por Te-Ato e Companhia Bonifrates

O recital perfomativo é apresentado este sábado, 11 de setembro, e lembra as vítimas da bomba atómica.

Inesa Markava é uma das intervenientes em “Memorial de Hiroshima” Foto: Paulo Abrantes

As vítimas de Hiroxima, cidade japonesa sobre a qual foi lançada a bomba atómica a 6 de agosto de 1945, são lembradas num recital performativo este sábado, 11 de setembro, em Leiria, com produção da Cooperativa Bonifrates, de Coimbra, e do grupo Te-Ato.

A tragédia provocada pela queda da primeira bomba atómica – e também da segunda, três dias depois, sobre Nagasaki – e da qual resultaram mais de duas centenas de milhar de mortos é evocada em “Memorial de Hiroxima”. Além das pessoas que morreram no momento e nos anos seguintes, “vítima foi também toda a humanidade”, pelo que “impõe-nos o direito e o dever de não esquecer”, frisa a Bonifrates, na sinopse.

Em palco há poesia, música, dança e vídeo que atravessam as secções “Olhar Hiroxima”, “Escutar Hiroxima”, “Sentir Hiroxima” e “Saber Hiroxima para lá de Hiroxima”. Porque “é preciso lembrar o olhar, escutar as vozes e os seus silêncios, sentir a dor e as suas marcas e saber que Hiroxima não terminou em Hiroxima”, já que “em cada vítima da guerra há uma Hiroxima que renasce”.

Concebido e coordenado por Ana Paula Santos e João Maria André, o espetáculo conta com coreografia e dança de Inesa Markava, direção de atores de João Lázaro e leitura de poemas por José Luís Coelho, Leonor Lourenço, Miguel Câmara, Miguel Sarreira e Pedro Antunes. A cenografia é do Atelier do Corvo, a coordenação musical é de Amílcar Cardoso, com canções de Ofélia Libório, e o desenho de luz tem assinatura de Nuno Patinho.

“Memorial de Hiroxima” é apresentado este sábado, às 21h30, no Teatro Miguel Franco. A entrada é gratuita, com reserva pelo 918 921 143 ou info.teato@gmail.com.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.