Assinar


Pombal

PS de Pombal acusa presidente da Assembleia Municipal de “ignorar oposição”

Paulo Mota Pinto, garantiu que não recebeu qualquer pedido de agendamento dos requerimentos

O líder da bancada socialista na Assembleia Municipal de Pombal acusou esta terça-feira, dia 14, o presidente daquele órgão de “ignorar a oposição”, ao não agendar os pontos apresentados pelos deputados do PS à próxima reunião.

O presidente da Assembleia Municipal (AM) de Pombal, Paulo Mota Pinto, garantiu que não recebeu qualquer pedido de agendamento dos requerimentos e que o único email que recebeu do PS foi esta terça-feira às 15h05 a perguntar sobre o agendamento, evocando um dos artigos do regimento.

O líder da bancada do PS, João Coelho, acusou o presidente da AM de “ignorar a oposição em Pombal”, facto que “surpreendeu” os socialistas, à margem de uma conferência de imprensa.

“Não sei se foi por falta de tempo, porque anda ocupado com as lutas partidárias internas e as próximas legislativas, se é falta de interesse, se a política em Pombal é algo que o maça, ao qual tem de passar para cumprir um frete dentro do partido”, começou por questionar o socialista à margem de uma conferência de imprensa.

João Coelho espera que “não seja falta de sentido democrático”, o que seria uma preocupação “para o futuro tanto a nível local, como a nível nacional”.

O líder do PS na AM espera que “seja a primeira e a última vez que ao PS na AM seja negada a possibilidade de apresentar propostas”.

Segundo João Coelho, o PS enviou por email as cinco propostas para serem discutidas na próxima reunião de AM, que se realiza no dia 20 de dezembro. “Abordámos diretamente o dr. Mota Pinto, na segunda feira [dia 06], que nos remeteu para um pedido de esclarecimento, por escrito, o que fizemos. Na sexta-feira tivemos a confirmação da ordem de trabalhos. Perguntámos por que não estavam incluídas as nossas propostas e disponibilizámo-nos para haver essa alteração, com uma justificação, mas nem a justificação nem essa alteração chegaram”, contou.

Após o contacto da agência Lusa, Paulo Mota Pinto questionou os serviços, que lhe garantiram não terem qualquer email com o pedido de agendamento. “Só o pedido se poderiam agendar”, adiantou.

No entanto, o presidente da AM assegurou que, caso se verifique que, por lapso, o email ficou perdido e que foi enviado “dentro do prazo legal, que são os cinco dias antes da realização da AM”, os cinco requerimentos serão introduzidos na ordem de trabalhos.

A identificação e retirada “com urgência” de amianto nas diversas instalações de uso público ou particular, alteração do acesso à teleassistência domiciliária, levantamento topográfico ou perimetral e respetiva avaliação imobiliária em transações de património predial nos quais intervenha o município, a instalação de desfibrilhadores em espaços desportivos e a cedência do valor do IRS que cabe à autarquia para ser aplicado no comércio local pelos munícipes foram as cinco propostas enviadas à AM que não foram agendadas.

“Esperamos que até à AM ainda haja essa alteração para que todos os pombalenses possam beneficiar das nossas propostas que entendemos que estão ao alcance de discussão”, constatou o socialista.

João Coelho revelou ainda que desde que tomou posse na AM, o PS foi autor de 15 requerimentos sobre vários temas.

“Esses requerimentos foram sendo enviados e a resposta demorou a chegar. Depois de quatro respostas, tivemos ontem [segunda-feira] resposta a outros quatro requerimentos quando já era pública a conferência de imprensa”, criticou.

João Coelho sublinhou que o objetivo é “trabalhar em conjunto com a maioria do PSD”, indo “ao encontro do que disse o presidente da Câmara de Pombal, que “gostaria que houvesse capacidade de trabalhar em conjunto e de integrar a oposição”.

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar