Assinar
Cultura Exclusivo

A Aldeia Pintada tem um disco com as histórias que cantam a memória da Torre

Domingo, 9 de janeiro, foi dia de conhecer o fruto de meses de trabalho: o disco “O lugarinho da Torre” com canções e poemas dos tempos em que se trabalhava e fazia a festa nos campos. Agora serve de banda sonora às famosas pinturas desta aldeia da Batalha.

As antigas resineiras e outros habitantes da Torre recordaram práticas de antigamente, como a percussão com pedrinhas que acompanhava as cantigas Nuno Rancho

O domingo cinzento foi temperado com entusiasmo na Torre da Magueixa – ou Torre, como é hoje conhecida a aldeia do concelho da Batalha. O motivo? A Aldeia Pintada, assim batizada pelas coloridas e bem-dispostas obras de arte espalhadas pelas paredes, concretizou mais um sonho: gravar um disco com cantigas de antigamente. À saída da missa, o CD “O lugarinho da Torre” foi distribuído pela comunidade, cumprindo mais uma etapa do projeto com que cinco jovens querem dar vida à Torre.

Maria Lino, 71 anos, ali nascida e criada, segurava três discos: “Um é para os meus netos, outro para as minhas netas e um fica para mim!”, disse, radiante com o resultado de meses de trabalho. Ela foi uma das vozes que se juntou para cantar, gravar e recuperar modas típicas do trabalho e dos bailaricos.

“Estou feliz. Nunca se pensou fazer uma coisa destas na Torre!”, exclamou Maria Lino enquanto apontava, agradecida, para os responsáveis pela edição. “Se não fossem estes rapazes e raparigas…”.

Maria cantava quando vinha da azeitona, mas quem popularizou estas músicas foram as resineiras. Conceição Marcelino, a São, era uma delas. Domingo, recordou esses tempos: “Antigamente cantávamos de manhã à noite. O trabalho era pesado mas alegre”.

Quando regressavam da labuta, já sol-posto, anunciavam-se com canções, enquanto batiam pedras umas nas outras. “Era um espetáculo. As pessoas saíam de casa para nos ouvir!”. Ambas agradecem a recordação desses tempos e a emoção de registá-los em disco. “Foi uma maravilha”, sintetizou São, 75 anos, uma das cinco resineiras que se ouvem nas gravações.