Assinar


Nazaré

Exposição de fotografia retrata uma década de ondas gigantes na Praia do Norte

“Naza 10” é o título da exposição fotográfica “imersiva” de Jorge Leal inaugurada, dia 15 de fevereiro, no Teatro Chaby Pinheiro.

Foto de Arquivo

Dez anos de imagens que celebrizaram as ondas gigantes da Nazaré vão estar patentes ao público a partir de terça-feira, dia 15, numa mostra da autoria de Jorge Leal, fotógrafo que trocou o Porto pela Praia do Norte.

“Naza 10” é o título da exposição fotográfica “imersiva” com que Jorge Leal dá a conhecer o trabalho desenvolvido na última década, integrado no projeto Nazaré North Canyon, que saltou para a ribalta quando em novembro de 2011 Garrett McNamara surfou, na Praia do Norte, a maior onda do mundo.

Antes desse dia, já o surfista e fotógrafo tinham “passado muitas horas a passear na praia, a estudar a ondulação, a procurar os melhores ângulos para captar as melhores imagens”, contou à agência Lusa.

Do empenho de um em surfar a melhor onda e do outro em captar os momentos chave de um desafio que “até aí ninguém se tinha atrevido a enfrentar” resultaram as imagens icónicas da maior onda do mundo, ou da famosa fotografia em que uma onda gigante “parece que vai engolir o farol”.

Quem vê pensa que a sorte pôs o fotógrafo no sítio certo à hora certa. Mas Jorge leal explica que por trás desse disparo estiveram “muitas horas a olhar para o mar”, com ele o companheiro de equipa, “Tó Mané” (António Manuel Silva), a trabalharem em simultâneo com uma máquina fotográfica e uma câmara de vídeo, para assegurar que todos os momentos ficariam registados.

“O recorde do mundo foi o dia mágico”, lembra o fotógrafo que, nesse dia, em terra, junto às máquinas, desempenhava também a função de spotter, dando indicações à equipa na água sobre as ondas que se aproximavam.

A “’big mama’, a mãe de todas as ondas”, não lhe escapou nesse dia. Nem, anos depois, o recorde de Maya Gabeira, a primeira mulher a enfrentar as ondas da Praia do Norte, “onde um acidente a deixou às portas da morte e onde voltou para bater novo recorde, numa história incrível de superação”, recorda Jorge Leal.

Dos “sustos”, dos “desafios superados” e das muitas histórias protagonizadas por surfistas como Garrett McNamara, Hugo Vau, Maya Gabeira, Andrew Cotton, Sebastian Steudtner, entre outros, saíram as 32 fotografias da mostra, que integra ainda vídeos e um documentário que estreará no domingo quando a exposição abrir portas no Teatro Chaby Pinheiro, na Nazaré.

A par com os surfistas, “as estrelas da mostra são as ondas a que ninguém fica indiferente” e que Jorge Leal considera “a oitava maravilha natural do mundo”. Em dias de tempestade, vinca, são protagonistas de “um espetáculo único que pode ser visto de um anfiteatro natural perfeito”.

Por elas deixou o Porto para se radicar na Nazaré onde, depois da exposição “Naza 10”, aspira continuar a imortalizar em imagens “o desporto e o mar de emoções que fazem da Praia do Norte a mais fotografada do mundo”.

Daqui a dez anos poderá expor a “Naza 20”, e daí a outros dez, a “Naza 30”. Ou, simplesmente, não alterar o título que “tanto significa os 10 anos, como a nota máxima para ondas e surfistas”.

Até lá, o fotógrafo e realizador mostra o seu olhar sobre a história dos últimos 10 anos da Praia do Norte, palco de recordes de Garrett McNamara (2011), Rodrigo Koxa (2017) e de Maya Gabeira (em 2018 e 2020), bem como de outros grandes feitos protagonizados por surfistas de todo o mundo que desafiaram as leis da gravidade e conseguiram surfar as ondas gigantes que celebrizaram a Nazaré.

A exposição tem como embaixadores Garrett McNamara, Andrew Cotton, All Manie, Hugo Vau, Alex Botelho, Sebastian Steudtner, Maya Gabeira, Jason Polakow, Tom Butler, Jamie Mitchell, entre outros, e pode ser visitada gratuitamente até dia 6 de março.

Artigo alterado a 15 de fevereiro, às 10h12, com correção da data de inauguração da exposição.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.