Assinar
SOS Ucrânia

Daniel Bernardes toca no CCB em concerto solidário com a Ucrânia

Vários artistas nacionais atuam hoje, 29 de março, em Lisboa, criando uma “ponte cultural” com o Centro Cultural de Lviv.

O pianista Daniel Bernardes, de Alcobaça, recentemente escolhido para dirigir a Leiria Cidade Criativa da Música Unesco, participa esta terça-feira, 29 de março, num concerto solidário pela Ucrânia, que junta vários músicos nacionais no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa.

A iniciativa visa criar “uma ponte cultural” com o Centro Cultural de Lviv, para onde será transmitido o concerto e serão enviados os bens recolhidos.

Num comunicado divulgado no site oficial, o CCB lembra que o Centro Cultural de Lviv “foi transformado em posto de operações de logística e ajuda humanitária”.

“A necessidade de fazer chegar a Lviv bens que lhes são escassos fez com que o CCB esteja a organizar uma campanha de recolha de bens, que terá lugar de 26 a 30 de março, na Tenda do CCB”, lê-se no comunicado, no qual é referido que, “numa demonstração de solidariedade pela paz na Ucrânia, a Fundação CCB criou uma ponte cultural com o Centro Cultural de Lviv”.

O concerto de hoje serve de angariação de fundos, com as receitas a reverterem a favor da Cruz Vermelha Portuguesa.

Para este espetáculo, o CCB convidou “vários artistas a colaborarem e a apresentarem-se em duo”.

“Nomes como Mário Laginha, que atuará a solo e em duo com Cristina Branco, Filipe Raposo e Ricardo Ribeiro, Salvador Sobral e André Santos, Júlio Resende, Ricardo Toscano e João Barradas, Bruno Pernadas e Margarida Campelo, Filipe Melo e João Moreira, Daniel Bernardes e Desidério Lázaro, e ainda a pianista Joana Gama, darão corpo a este concerto pela Ucrânia”, lê-se no comunicado, divulgado pela agência Lusa.

O concerto começa às 19 horas e será transmitido em direto para Lviv, numa parceria com a RTP Palco.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.