Assinar
Cultura

Academia Coral Mezzo promove a música coral em oito escolas básicas do concelho de Leiria

Após 10 sessões a aprender oito músicas, as 200 crianças dão um concerto final este domingo, no Mercado de Santana, às 16h30.

28 alunos da escola básica de A-dos-Pretos participaram no projeto JN

O 2º período deste ano letivo foi especial e diferente para muitos alunos do 3ºano do ensino básico do concelho de Leiria. Tiveram a oportunidade de aprender a cantar em coro, sob a orientação do maestro Jorge Narciso, da Academia Coral Mezzo (ACM), de Leiria.

Pela terceira vez consecutiva, a ACM dinamizou o projeto “Os Pequenos Cantores de Leiria”, desta vez nas escolas básicas da Bouça, Chainça, Guimarota, Reixida, Serra de Porto Urso, A-dos-Pretos, Chãs e Correia Mateus. O objetivo, esse manteve-se: divulgar e promover a música coral.

A par deste propósito, Jorge Narciso explica que existe a ambição maior de “semear nestas crianças o gosto por cantar com organização, método e rigor”. “Estou confiante de que daqui a 20 anos haverá mais cantores em Leiria, mais coros e muito mais amantes de música”, completa.

Nesta iniciativa, a seleção das escolas é feita pela Câmara de Leiria – entidade parceira do projeto – mas o maestro deixa sempre um pedido: trabalhar com escolas que não tenham música, porque apesar de ser mais difícil, prefere trabalhar nos estabelecimentos em que as crianças “nunca tocaram um instrumento nem sabem cantar”.

Nas mãos de Jorge Narciso fica a escolha das músicas, selecionadas do Plano Nacional de Leitura. Nesta “edição” do projeto, as 10 sessões foram dedicadas a aprender os seguintes temas: “Coração da Natureza”, “Ser Amável” de Carlos Gonçalves, canções do Corvo, da Raposa, da Formiga e da Cigarro de Gonçalo Pratas, o “Gafanhoto Canhoto”, “Eu tenho um amigo” e “O Girassol” de Margarida Fonseca.

Além dos temas, os alunos foram também desafiados a criar uma histórias a partir das fábulas do Corvo e da Raposa, da Formiga e da Cigarra.

Para o maestro, as sessões foram “encantadoras” e “o sorriso dos meninos diz tudo”. “Não há palavras”, salienta.

Na opinião do professor Filipe Furtado, da EB da Guimarota, onde participaram 22 alunos, a atividade foi “muito interessante e diferente”. “Antecipou a Primavera e parecia que já não havia Covid-19, nem inverno ou guerra. Havia só música e os meninos conseguiram abstrair-se de todos os problemas e ficarem focados só nisto”, diz.

Todas as sextas-feiras, conta, os estudantes esperavam ansiosamente pela chegada do “professor” Jorge Narciso. “Mesmo enquanto faziam outros trabalhos, às vezes cantarolavam baixinho as músicas do projeto”, refere.

E além de envolver as crianças, a iniciativa conseguiu chegar aos pais dos alunos, frisa, lembrando que os encarregados de educação criaram inclusive camisolas e um logótipo para a atividade.

Para a professora Martinha Trezentos, da EB de A-dos-Pretos, o projeto é muito importante, porque “além de desenvolver competências musicais, desenvolve competências do saber estar e ser”.

“Em 20 anos de serviço é um dos projetos que mais me marcou. Devia ser obrigatório nas escolas primárias, porque desenvolve todas as competências. Foi uma surpresa muito agradável”, sublinhou.

No final das sessões, os pequenos cantores mostraram a toda a escola aquilo que aprenderam. Mas o exercício não fica por aqui. Este domingo, dia 10, todas as crianças que participaram, cerca de 200, vão cantar as oito músicas no Mercado de Santana, em Leiria, acompanhadas por uma banda. E os alunos da Escola Básica da Chainça vão ler a história que escreveram. O concerto começa às 16h30 e a entrada é gratuita.

E como ainda há muito caminho a percorrer para divulgar a música coral, o projeto regressa no próximo período letivo, depois das férias da Páscoa. As escolas básicas da Cruz de Areia, Porto Carro, Carreira, Pinheiros, Mata dos Milagres, Touria, Pinheiria e Arrabalde são as sorteadas para formar mais pequenos cantores.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.