Assinar

Mão cheia de projetos enriquece currículo dos alunos

foto do exterior da escola da Guia

São vários os projetos existentes no Agrupamento de Escolas da Guia, desde o desporto à política. Projetos esses escolhidos todos os anos de forma seletiva, mediante o contributo para o enriquecimento do currículo do aluno.

Um dos mais recentes, que arrancou este ano, é o de mentoria, no qual os estudantes assumem o papel de mentores e mentorandos. Ou seja, em todos os ciclos de ensino, à exceção do primeiro, os alunos têm a oportunidade de ensinar ou receber a ajuda de um colega numa matéria em que tenham mais dificuldade. Este exercício, realça a subdiretora do Agrupamento, implica uma característica que “os jovens perderam um bocadinho atualmente”: a capacidade de “sair do seu mundo, do seu umbigo, de ser capaz de ajudar o outro e ser mais generoso”.

Devido a este aspeto a adesão ao projeto ainda não é muita, mas Fernanda Franco está confiante de que aumente no próximo ano letivo, até porque o projeto tem a vantagem de dar certificação.

Fora da sala de aula, no recreio, os alunos são desafiados a ser “mediadores”, fazendo gestão de conflitos. Trata-se de um projeto com grande impacto nos casos de bullying: “Estas mentorias ajudam a que ninguém esteja sozinho e isolado na escola”, evidencia.

Destaque ainda para o projeto Milage, que nasce de um protocolo com a Universidade do Algarve no ensino da matemática, e serve para incentivar ao trabalho autónomo e mostrar diferentes formas de aprender a dominar os números. Está já a ser alargado a outras disciplinas.

O Parlamento Jovem e o Autarca Jovem são exemplos da importância que a instituição atribui à voz do aluno, ao espírito de reflexão, debate e preocupação com a cidadania. São iniciativas pelas quais os jovens se têm interessado muito, explica o diretor, apontando para o caso de Raquel Marques, que foi eleita jovem autarca no presente ano letivo.

“As escolas são atualmente bombardeadas com mil projetos vindos de áreas diferentes. Tem de haver uma grande capacidade seletiva”

Fernando Franco, subdiretora do Agrupamento de Escolas da Guia

Eco-Escolas, Desporto Escolar, EQAVET, Academia Digital para Pais, Clube Letras e Companhia, o ATL em protocolo com a Cáritas Diocesana de Coimbra, atelier “Vem e Vê”, Yoga para Crianças e Educação para a Saúde são outros clubes e projetos abraçados pela instituição e de igual relevo no Agrupamento.

Um dos objetivos que a direção pretende alcançar no próximo ano é “começar logo a integrar cada vez mais os projetos” nas disciplinas. “Até porque agora temos uma área de aprendizagem que são os Domínios de Autonomia Curricular (DAC), em que várias disciplinas trabalham para um objetivo comum”. A intenção, acrescenta a subdiretora, é inserir os projetos no âmbito do tema escolhido para determinado ano letivo. “Pode haver, por exemplo, uma grande interação entre os DAC e os clubes de ciência viva, potenciando sempre a componente experimental, que é algo que às vezes fica de lado”.

Apoie o REGIÃO DE LEIRIA

Se chegou até aqui é porque este é um texto que lhe interessa. Por detrás dele há uma equipa e um conjunto de recursos que custam dinheiro e que, para continuarem a existir, precisam da sua ajuda. Gostávamos de lhe explicar como.