Assinar
Pedrógão Grande

Seca: Autarca de Pedrógão Grande preocupado com transvase de água do Zêzere para o Tejo

Em cima da mesa está a possível construção de um túnel de transvase a partir do Barragem do Cabril.

imagem da barragem do cabril vista da margem do distrito de leiria
Foto de Arquivo

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande, António José Lopes, é um dos autarcas do interior do país que manifestou a sua preocupação ao Governo, com a possibilidade de haver um transvase de água da Barragem do Cabril para o rio Tejo.

Num comunicado conjunto, os líderes dos executivos de Sertã, Oleiros, Pedrógão Grande e Pampilhosa da Serra manifestam “a sua preocupação” face à possibilidade de se construir um túnel para transvase da albufeira do Cabril para o rio Tejo, “tendo em conta os baixos níveis de água nesta albufeira nos últimos verões e, em especial, neste que decorre”.

Os quatro autarcas estiveram reunidos na segunda-feira, na Sertã, com o secretário de Estado da Conservação da Natureza e Florestas, João Paulo Catarino.

“A reunião teve como objetivo apresentar as preocupações dos autarcas ao governante face à possibilidade de construção de um túnel de transvase de água do Rio Zêzere (a partir da Barragem do Cabril) para o rio Tejo (Barragem de Belver)”, lê-se no comunicado.

Na nota, os quatro autarcas salientam que “a referida obra constará do estudo de reforço da resiliência nas Zonas do Médio Tejo, elaborado pela Agência Portuguesa do Ambiente e que deverá ser posto a consulta pública em setembro”.

Questionam ainda “o interesse de se construir um transvase da albufeira do Cabril para o rio Tejo, colocando a água apenas a 30 quilómetros a montante do lugar onde a água do Cabril já chega naturalmente ao Tejo”, em Constância.

Os presidentes de Câmara querem que lhes seja dado conhecimento de todo este processo, em detalhe, e das soluções técnicas que vierem a ser propostas.

“Exigem ainda ser ouvidos na elaboração dessas mesmas soluções, e consultados na elaboração dos cadernos de encargos que vierem eventualmente a ser preparados”, refere o comunicado.

Defendem também que qualquer projeto que venha a ser implementado “deverá salvaguardar uma quota mínima para a albufeira do Cabril e outras a jusante”, que permita o uso múltiplo destas albufeiras, nomeadamente, “a captação de água para abastecimento das populações, a defesa contra incêndios e a utilização para fins turísticos, essencial para a economia local”.

Em dezembro de 2021, o então ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, garantiu que estavam a ser avaliadas duas soluções para resolver o problema da regularização do caudal do rio Tejo e que deviam ser construídas em conjunto.

Segundo o governante, uma das soluções para resolver o problema da regularização do caudal do rio Tejo, passava por construir uma ligação em túnel “da barragem do Cabril a Belver, sem qualquer transvase – estamos a falar dentro da mesma bacia hidrográfica – e que é essencial para podermos trazer água de um rio, onde nunca faltou a água, que é o Zêzere”.

A segunda solução era a criação de um reforço de capacidade armazenada, em barragem, no rio Ocreza.

Com Lusa

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é assinante, entre com a sua conta. Entrar